O Adail (Ideias em Blog), indicou-me para o The Sunshine Blogger Award (Obrigado Adail!!!). Para quem não sabe, essas indicações servem, tipicamente, para dois fins: Dar a oportunidade de conhecermos um pouco mais sobre a pessoa indicada, bem como nos dar a oportunidade de apresentar ao pessoal que nos acompanha alguns blogs que achamos que vale a pena (uma amostra, dentro do universo de blogs que achamos que vale a pena).

O Adail tem um blog rico e diverso, com textos sobre os mais diversos assuntos, como tecnologia, natureza, comportamento, etc. Vale a pena acompanhar. Eu acompanho. Também vale a pena ver as respostas que ele deu às perguntas que foram feitas a ele, aqui.

Então, aqui vai.

sunshine-blogger-award1

A premiação envolve uma demonstração de seu reconhecimento para com o trabalho de outros blogueiros assim como a promoção de interações com esses blogs. Cada envolvido precisa seguir quatro regras básicas:

Agradecer a quem te indicou;
Colocar as regras e incluir o logo do prêmio no post;
Responder 11 perguntas feitas pelo nomeador;
Nomear 11 blogs e fazer-lhes 11 perguntas.

Agora vamos às perguntas que me foram feitas pelo Adail, com suas respectivas respostas:

1- Qual foi a sua primeira opção de plataforma quando pensou em criar um blog? O que lhe chamou mais atenção?

Eu tenho “blogs” desde os primórdios da Internet pública no Brasil, quando ainda usávamos modens e uma linha discada de telefone para nos conectarmos com o mundo (sim, já não sou assim novinho como pareço… rs). Já não me lembro bem da primeira plataforma que eu usei, mas o provedor deixou de existir não muito depois de eu arranjar um espaço por lá. Era algo parecido com o GeoCities, que também já não existe (e onde eu também tive um espaço). Porque é que foi que eu escolhi aquela plataforma que já nem lembro o nome? Bom, na altura, a gente achava um lugar e agarrava… O “mundo” era muito menor, então… Usei muito tempo o Blogger/Blogspot, onde tive vários blogs, em diferentes épocas. Tive blogs hospedados em provedores, onde eu alugava o espaço. E mais de uma vez tive blogs no WordPress (onde mantenho o meu atual).

Já quanto ao que me chamou a atenção em cada um deles? À exceção dos provedores, em que o que eu buscava era controle total sobre o meu “espaço”, todos os outros espaços para publicação me atrairam pelo mesmo motivo. A comunidade que lá estava.

Em verdade, sou um ser solitário, focado quase que exclusivamente na minha família. Detesto sair sem a minha senhora e o meu filhote, e raramente o faço. Mas ainda sou humano, e a necessidade de contato com outras pessoas, de conhecer o que elas pensam e sentem, de interagir a esse nível mais abstrato, de descobrir o novo, o inusitado, o comum e corriqueiro, tudo isso eu faço quase que exclusivamente online. É essa comunidade que me atrai. No blogger, eu adorava a barra na parte de cima do blog, onde eu conseguia navegar para novos blogs, de forma aleatória. No WordPress, eu gosto do Reader, que além de me manter a par das novas publicações, me apresenta algumas sugestões de tempos em tempos.

2- Você está satisfeito(a) com o WordPress? Por quê?

Sim. E não. Eu sou um eterno insatisfeito. Estou sempre pensando em como as coisas podem ser melhoradas. De fato, estou sempre à procura de algo novo, de uma plataforma mais interessante, com novas ferramentas, com novas formas de interagir, principalmente. Eu gosto da comunidade que encontrei aqui, no WordPress, mas confesso que acho a plataforma um pouco limitada em termos de conectividade… 
Quem sabe eu não crio uma plataforma que efetivamente ajude a conectar as pessoas?
Algo descentralizado, verdadeiramente democrático. Há alternativas, mas a maioria precisa de um certo “expertise” para poder operar. E se conseguíssimos criar algo verdadeiramente “simples”? É uma ideia? Era fixe…

3- Por que quis criar um blog? Sempre teve essa vontade?

Sim. Desde que eu fui apresentado ao conceito de BBS (que veio antes da internet pública, no Brasil), eu senti o potencial para compartilhar, para democratizar a voz de todos. E desde o início que eu navego por esse mar caótico que é a www.

4- O que você mais gosta em seu blog?

De poder conversar, com quem aqui vem, sobre os assuntos que me interessam, e sobre os quais eu publico, além de poder compartilhar os meus trabalhos artísticos com quem quer que se interesse por eles.

5- Consegue postar com frequência?

Sim. E não. Eu tenho fases em que eu estou de bem com a vida e publico com frequência. E depois eu tenho uma fase, já perto de completar um ano desde as minhas últimas férias, em que estou tão cansado que, apesar de todas as ideias e coisas que tenho para compartilhar, não tenho energia para o fazer. Tipicamente por volta de Maio a Junho eu praticamente deixo de publicar, e depois das férias (ou quando essas se aproximam), volto a ter energia e recomeço.

Por exemplo, só agora começo a sair da fase em que já não tinha energias para absolutamente nada…

6- Quais tipos de conteúdos gosta mais de abordar?

Bom… O meu blog é um blog pessoal, não temático, por isso sinto que tenho liberdade para publicar sobre qualquer coisa que me dê na telha… E assim o faço. Mas a verdade é que a maior parte dos meus artigos / posts são pequenos contos, poesias, alguns textos mais pessoais de opinião sobre alguma coisa que tive vontade de escrever. Mas vais encontrar outras coisas aqui, de certeza, como músicas e desenhos e aquarela e aikido e tudo o mais que me dê na telha falar sobre…

7- Você interage muito com outros blogueiros?

Sim. É disso que eu gosto. Mas a verdade é que não é fácil. Acabamos ficando muito nos comentários sobre o que o outro publicou. Ainda assim, eu acabo, cedo ou tarde, por transformar um comentário em um chat… rs

8- O que acha bacana quando lê posts de outros blogs?

Em primeiro lugar, que o texto seja pessoal. Dou preferência para textos / posts em que a pessoa está se expondo, não necessariamente falando algo sobre ela, mas em que é possível discernir sua essência naquilo que ela torna público. Isso é o que mais me atrai em um post. Daí gostar de ler poesias, contos, textos de opinião, posts em que a arte ou a vida de uma pessoa é compartilhada, mais do que textos/posts puramente informativos.

9- Como é a elaboração de suas postagens? Segue algum tipo de “ritual”?

Acho que não. Cada coisa que eu compartilho aqui “aconteceu” de uma maneira diferente. Levou seu tempo a ser matutada. Algumas eu escrevi no papel primeiro, outras no computador. Algumas levaram anos para serem compartilhadas, outras eu sentei , escrevi e compartilhei imediatamente. Algumas eu tento dar um tom leve ou humorístico, algumas eu tento ser denso… Tudo sai do jeito que calha na altura…
Não ter um ritual é um ritual?

10- Que tipo de música gosta de escutar? Indique uma para os seus amigos blogueiros.

Ah… A música é parte absolutmente necessária da minha vida. Se não pudesse ouvir, talvez eu enlouquecesse… Talvez por isso, não tenha um “tipo” de música que eu goste de escutar. Eu gosto de música. O que eu escuto depende do meu estado de espírito.

Vou deixar aqui uma música que eu gosto imenso, da Luísa Sobral, chamada João. Será que vocês conseguem descobrir as razões pelas quais eu escolhi essa música? 🙂

João
(Luisa Sobral)

Eu saio da escola sempre à mesma hora
E vejo o João que sai também
Já me fiz de distraída, sorri meio atrevida
Mas o João da C finge que não vê

Todas na escola gostam do João
Propõem namorar num papel com sim ou não
Sei que é difícil com tanta escolha assim
Que vai fazer o João gostar de mim?

Sou a mais bonita e nunca sou escolhida
Quando fazem equipas para o futebol
Se alguém fica doente entro para suplente
Fico sentadinha a apanhar sol

Todas na escola gostam do João
Propõem namorar num papel com sim ou não
Sei que é difícil com tanta escolha assim
Que vai fazer o João gostar de mim?

Todas na escola gostam do João
Propõem namorar num papel com sim ou não
Sei que é difícil com tanta escolha assim
Que vai fazer o João gostar de mim?

O João olhar para mim
O João gostar de mim
Ele está a olhar para mim

11- Qual o seu gênero favorito de filme?

Ah! Finalmente uma fácil!!!! Ficção Científica, claro!!!! Ou não seria eu um aquariano típico 😉 hahahaha

Os nomeados para responder às minhas perguntas e continuarem a brincadeira (caso queiram, foram escolhidos, a maioria, entre blogs que encontrei recentemente, e todos ligados diretamente à arte da escrita (de uma maneira ou de outra).

E estes foram os 11 convidados para essa brincadeira 🙂
Agora, vamos ao mais difícil: As perguntas! E ainda por cima são 11, ó vida… xD

  1. Se você se deparasse com um anão de jardim, sentado à frente da porta da sua casa, com um ar assim de quem comeu e não gostou, o que você perguntaria para ele?
  2. Por falar em comer, já comeu Focaccia? Estaria disposto/disposta a experimentar?
  3. Qual foi a frase/ditado mais idiota que você já ouviu?
  4. Você também acha que os polvos são alienígenas que caíram na terra há milhões de anos e que regrediram para um estado mais primitivo porque não tinham escolas adequadas nem ferramentas para transmitir seus conhecimentos para as gerações futuras? Por quẽ?
  5. De todos os sonhos que você tinha dez anos atrás, quais você inda persegue?
  6. Neste exato momento, se você não tivesse outra escapatória, o que você escolheria? Verdade ou consequência?
  7. Qual é a sua maior dúvida existencial de todos os tempos, neste instante?
  8. Cite uma cidade que você quer conhecer e o porquê dessa cidade em específico. Espera. Isso não é uma pergunta. Então lá vai: Se você tivesse que escolher uma única cidade para conhecer, qual seria e por quê?
  9. Alienígenas dominaram o mundo e disseram para você escolher qualquer trabalho que você queira, mas vais ter de realizar esse trabalho para o resto da vida. Não podes falar com ninguém antes de decidir. Se não decidir, vão desintegrar você. Tens 5 minutos para decidir. Então? Qual será o trabalho?
  10. Tens algum preconceito? (Não precisas dizer qual) Tens feito alguma coisa para libertar-se desse fardo? (Não precisa de responder essa).
  11. Qual é a pergunta que você gostaria que eu tivesse feito, e qual a resposta para essa pergunta?

Espero que tenham gostado. Se não gostaram, não faz mal. C’est la vie.
Um abraço e até breve!


1É feriado. E eu gastei umas horas para fazer isso… Vou te cobrar por hora, Adail! haha!