Eu estou há meses para escrever este texto.
E agora que eu comecei, a única certeza que eu tenho é que uma dúvida atroz assola minh’alma.

Em menos de uma semana, o Brasil irá decidir quem será seu presidente para o próximo mandato de 4 anos (2019-2022). Curiosamente, a escolha recai sobre os dois candidatos com maior rejeição que concorreram. Com metade da população dizendo “PT NUNCA MAIS” e a outra metade dizendo “#ELENÃO”, a polarização tornou-se absoluta.

Eu poderia tecer minhas considerações sobre cada um deles, mas não farei isso. Não é medo ou coisa parecida. Tenho minhas convicções e não me envergonho delas. Eu já decidi meu voto. Eu tomei um lado. Eu tenho minhas razões. Mas criticar um ou outro, agora, seria praticamente inútil.

Depois de meses participando de discussões sem fim em outras redes, fica óbvio para mim que, à exceção de uns poucos que ainda estão indecisos, não serão argumentos éticos ou técnicos que irão mudar o que vai acontecer. E provavelmente nunca esteve realmente em nossas mãos. Faltando tão poucos dias para a decisão, apenas os próprios candidatos podem decidir o que quer que seja. Portanto, eu deixo isso para eles, e para quem ainda tem pachorra pra isso.

Mas eu gostava de deixar cá uma reflexão.

O Brasil é grande. O Brasil é imenso. E no Brasil há muita gente. E o Brasil é muito complexo. E o Brasil não está sozinho no mundo. O Brasil é enorme, mas ainda é só um país confuso e complexo, com muita gente com pouca instrução e muito preconceito. O Brasil é um país pequeno no mundo, e depois de crescer muito, está se tornando cada vez mais pequeno novamente.

Lembre-se disso quando você for votar em um ou em outro, com a esperança de que o seu candidato vai mudar o país, que vai trazer mais empregos, que vai moralizar a política, que vai acabar com os “inimigos da pátria” e trazer a paz e os bons constumes de volta.

Ele não vai.

E o Brasil vai continuar sendo o país do futuro, enquanto você continuar buscando um salvador da pátria a cada quatro anos… E ao que parece, esse futuro é sombrio.

Porque o Brasil é o que você faz dele. E é o que faz com ou contra os outros que também são Brasileiros.

Deixo aqui uma música que embalou minha adolescência, e que continua um retrato fiel do país…

Que País É Esse?
(Legião Urbana)

Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

No Amazonas, no Araguaia iá, iá
Na Baixada Fluminense
Mato Grosso, Minas Gerais
E no Nordeste tudo em paz
Na morte eu descanso
Mas o sangue anda solto
Manchando os papéis, documentos fiéis
Ao descanso do patrão

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

Terceiro mundo, se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios num leilão

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?


1Passei os últimos meses acompanhando as eleições no Brasil, e no último mês estive fora de casa, a trabalho. Por isso peço desculpas por ter meio que desaparecido das redes e de acompanhar os meus amigos aqui no WordPress e no Blogger. Já estou conseguindo normalizar as coisas. Nada como as eleições chegarem ao fim… 😉 hehe