Feira do Livro de Lisboa 2019

Este pequeno “artigo” serve a dois propósitos:

  • Mostrar o que foi que adquirimos na 89ª Feira do Livro de Lisboa (2019).
  • Quebrar o jejum de textos aqui no blog (tenho muita coisa para publicar…).

Vamos a isso.

A feira do livro realizou-se, novamente, no Parque Eduardo VII. Um espaço muitíssimo agradável. Fomos duas vezes à feira. Da primeira vez fizemos uma compra rápida. Já era mais para o fim da tarde e a feira estava lotada. Da segunda vez fomos pela manhã, mal acordava a feira. Foi muito agradável, mas ainda assim foi uma visita rápida, que os custos dessa visita não paravam de subir…

A exemplo de anos anteriores, que nunca menionei antes, boa parte das aquisições deste ano foram de livros infantis, mas acabamos também por investir em Banda Desenhada (quadrinhos).

Fica aqui então um registro do que trouxemos da feira. Ano que vem tem mais 🙂

Livros Infantis

Nasredin
A toupeira que queria saber quem lhe fizera aquilo na cabeça
Vamos Jogar?
Eu Quero a Lua
O Homem de Água
Depois da Chuva
O Médico do Mar
O Velho a preto e branco na Aldeia das Cores
O Livor que voa
O sonho de Mateus

Banda Desenhada

Chernobyl – A Zona
Histórias do Outro Mundo
Portais
Jardim de Inverno
Saga – Volumes 3 a 8

Outros

Hugo Pratt – O desejo de ser inútil
Banda Desenhada – Ensaio sobre a incoerência estilística
Os Mil e Um Fantasmas
Palavras do Livro do Desassossego
O Guardador de Rebanhos

1Eeeeeeeeeeeee é isso. 🙂

2Claro, já comprei mais livros depois da feira (e antes dela também, se for importante…).

3E para que não reste nenhuma dúvida…

De novo e de novo e de novo…

A realidade é feita de um todo que está separado em infinitas partes.
E elas se juntam e se separam e vem e vão.
É a vida. É assim que a vida funciona. E a vida não se importa com você.
Ela apenas é. Assim. Caótica. Repentina. Insensível.
Busque ver a beleza da incerteza do que pode acontecer.
Aproveite o que de bom ela te traz.
Aprenda as lições que ela te der.
Aceite.
Viva.

Ciclos. Voltas. Nascimentos. E tudo começa outra vez…
(foto: Joana G. S. Morais)
Tracy Chapman – New Beginning

New Beginning

(Tracy Chapman)

The whole world’s broke and it ain’t worth fixing
It’s time to start all over, make a new beginning
There’s too much pain, too much suffering
Let’s resolve to start all over make a new beginning

Now don’t get me wrong I love life and living
But when you wake up and look around at everything that’s going down 
All wrong
You see we need to change it now, this world with too few happy endings
We can resolve to start all over make a new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

The world is broken into fragments and pieces
That once were joined together in a unified whole
But now too many stand alone There’s too much separation
We can resolve to come together in the new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

We can break the cycle – We can break the chain
We can start all over – In the new beginning
We can learn, we can teach
We can share the myths the dream the prayer
The notion that we can do better
Change our lives and paths
Create a new world

And Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

The whole world’s broke and it ain’t worth fixing
It’s time to start all over, make a new beginning
There’s too much fighting, too little understanding
It’s time to stop and start all over
Make a new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

We need to make new symbols
Make new signs
Make a new language
With these we’ll define the world

And start all over
Start all over
Start all over
Start all over …


1Uma boa páscoa para quem celebra esta data. Bom descanso para quem dela pode aproveitar.

2E após o interregno, nos reinventamos, e recomeçamos.

3(EDIT) Para quem ficou curioso, o nosso pequenote está a ler “Pavor Espaciar”, uma Graphic MSP do Chico Bento (meu personagem preferido da Turma da Mônica), desenhada pelo Gustavo Duarte (uma entrevista dele sobre o trabalho aqui).

Cenas Bucólicas

Pois… Eu curto cenas bucólicas… Então resolvi pintar uma. Essa aqui é a segunda tentativa (a primeira foi sequestrada pelo meu pequenucho…).

Essa pintura foi feita em aquarela, e eu me baseei numa pintura feita à óleo, pelo meu pai, que trouxe comigo do Brasil, quando vim para Portugal.

Fica aqui entao o pequeno registo fotográfico do processo, desde o esboço até o resultado final.

Ainda tenho muito que melhorar, mas não encontrei uma “rotina” para poder estudar e praticar. Estou tentando.

Quando tiver novas pinturas, eu coloco aqui.

Música

Música.
Sempre a música.
Sempre há música.
Em todo lado.
Mas quando é noite… Ah…
A noite transforma a música.
Ou os ouvidos.
Potencializa uma compreensão que transcende o raciocínio.
Abre portas e janelas e deixa o universo entrar.
E não estamos sós, porque somos tudo e compreendemos tudo.
E ela, a música, nos mostra que sempre esteve ali…
Música.
Sempre a música.
Que sempre seja música.
Que a noite sempre traga.
Música.

Jauch

Chão de Giz

Zé Ramalho

Eu desço dessa solidão
Espalho coisas
Sobre um Chão de Giz
Há meros devaneios tolos
A me torturar
Fotografias recortadas
Em jornais de folhas
Amiúde!

Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes
Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes

Disparo balas de canhão
É inútil, pois existe
Um grão-vizir
Há tantas violetas velhas
Sem um colibri
Queria usar, quem sabe
Uma camisa de força
Ou de vênus

Mas não vou gozar de nós
Apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom

Agora pego
Um caminhão na lona
Vou a nocaute outra vez
Pra sempre fui acorrentado
No seu calcanhar
Meus vinte anos de boy
That’s over, baby!
Freud explica

Não vou me sujar
Fumando apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom

Quanto ao pano dos confetes
Já passou meu carnaval
E isso explica porque o sexo
É assunto popular

No mais, estou indo embora!
No mais, estou indo embora!
No mais, estou indo embora!
No mais!

Eu & 5 de Portugal #7

O Passado…

O passado é um sonho que precisa ser sonhado. E cada sonho que sonhamos é diferente, porque o passado é um sonho que não se repete.
Eu sei. Temos medo do passado. É no passado onde estão os nossos fantasmas. Temos medo que eles nos vejam e voltem… E como crianças pequenas fechamos os olhos e nos escondemos debaixo das cobertas. Mas de olhos fechados o futuro não vem.
O passado é um sonho que precisa ser sonhado, porque são nossos sonhos que moldam o futuro. E o Futuro, sem sonhos, não tem razão de ser…

A porta convida. A luz convida. A noite convida. Entra…
Did you bring the carrots, little human?
Brinca como se não houvesse amanhã. Não há…
Miau!
Portugal… Verão. Ontem? Ou teria sido há 20 anos?

Constant Craving

K.d. Lang (interpretada por John Paul White)

Even through the darkest phase
Be it thick or thin
Always someone marches brave
Here beneath my skin

And constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Maybe a great magnet pulls
All souls to what’s true
Or maybe it is life itself
That feeds wisdom to its youth

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been
Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been
Has always been
(Has always)
Always been
(Has always)
Always been
Has always been
Has always been
Has always been


1Não. Não sei porque raios é que os burricos falam em Inglês…

2Não. Não sei porque raios é que os gatos falam em Miês…


Onde Tudo Existe…

um céu estrelado
espelha minh’alma
escura e fria
velha e cansada
pontilhada de cicatrizes
pequenas e apagadas
e olho para elas

com um olhar que não se cala
diz-me! qual a razão?

o passado é um sonho
o futuro é ilusão
tu segues o caminho
que o destino traçou
por isso, aceita
aceita o teu presente
pois que nele
belo e decadente
é onde tudo existe

por Jauch

Devil’s Backbone

The Civil Wars

Oh Lord, Oh Lord, what have I done?
I’ve fallen in love with a man on the run
Oh Lord, Oh Lord, I’m begging you please
Don’t take that sinner from me
Oh don’t take that sinner from me

Oh Lord, Oh Lord, what do I do?
I’ve fallen for someone who’s nothing like you
He’s raised on the edge of the devil’s backbone
Oh I just wanna take him home
Oh I just wanna take him home

Ooooooooooo
Ooooooooooo

Oh Lord, Oh Lord, he’s somewhere between
A hangman’s knot, and three mouths to feed
There wasn’t a wrong or a right he could choose
He did what he had to do
Oh he did what he had to do

Ooooooooooo
Ooooooooooo

Give me the burden, give me the blame
I’ll shoulder the load, and I’ll swallow the shame
Give me the burden, give me the blame
How many, how many Hail Marys is it gonna take?

Don’t care if he’s guilty, don’t care if he’s not
He’s good and he’s bad and he’s all that I’ve got
Oh Lord, Oh Lord, I’m begging you please
Don’t take that sinner from me
Oh don’t take that sinner from me

O Maquiavélico Plano do Dr. No

(Ou as aventuras de um pai, uma mãe, e um filho…)

Naquele sábado preguiçoso, os pais ainda tomavam o pequeno almoço, muito tranquilos, aproveitando o sol que entrava pelas janelas da sala.

O pequenote tinha desaparecido para o quarto fazia pouco tempo, e agora voltava, assim, de mansinho, com um enorme sorriso estampado no rosto, daqueles sorrisos malandros que já denunciam as intenções arteiras deste pequeno ser cheio de artimanhas.

Atrás das costas segurava o controle remoto da TV.

Quando chegou perto, disse, muito carinhoso e com aquele olhar de cachorro pidão:

— Ó paaaaaaaai, quero fazer uma partida.

O pai olha pra mãe sem entender, que devolve um olhar “não sei de nada, não me meta nisso”. Notando a confusão dos progenitores, o pequenote não esperou pela pergunta:

— Tira as pilhas, pai. Quero fazer uma partida pra vocês.

O pai e a mãe cairam na gargalhada.

Ainda enxugando as lágrimas, o pai tirou as pilhas, que o pequenote agarrou e correu para o quarto para esconder em sua caixa de brinquedos.

Ao voltar para a sala veio todo faceiro, muito contente com a partida que ia pregar aos pais quando estes tentassem usar o controle remoto da TV, pensando, certamente, na enorme surpresa que eles teriam…


1Baseado em fatos reais

2O aspecto mais delicioso da infância, para mim, é a ingenuidade…

3Por que do título? Sei lá… Gosto de James Bond. Tem um vilão chamado Dr. No, não tem? Acho que tem… Não? De qualquer maneira, esse “plano” me lembrou um vilão de James Bond, e se não tem um vilão chamado Dr. No, deveria haver! Nada mais ingênuo que um vilão de James Bond chamado Dr. No.

Leiturtugas #1

Este ano começou de forma explêndida para mim, em relação às minhas leituras. Finalmente, depois de alguns anos em que li muito menos do que gostaria, consegui engrenar uma rotina que me permite ler, se não tanto quanto gostaria, o suficiente para me acalmar o espírito.

Também descobri um novo projeto, encabeçado pelo Jorge Candeias, que recebeu o nome Leiturtugas.

De forma muito resumida, a ideia é a de criarmos um grupo de leitores/bloggers de obras literárias (que inclui a BD/HQ), de autores Portugueses, classificadas como Fantásticas, focando principalmente na Ficção Científica, mas abraçando também outros gêneros, como Fantasia, Terror, etc. O que esse grupo se propõe a fazer é ler e comentar tais obras.

Quem sabe assim não conseguimos aumentar um pouco a exposição destas obras a um público mais alargado? Ou salvar alguém de um dissabor? 😉

As regras estão no link ali em cima. Portanto, se tens curiosidade e sentes que és capaz de gostar deste projecto, junta-te! Não é preciso ser português (eu ainda não o sou 😉 rs).

E para dar a partida, aqui no meu espaço, deste projeto, vou deixar aqui alguns comentários sobre algumas coisas que eu li, começando neste ano, bem como o que já foi publicado pelos integrantes do projeto, que ainda é pouco, porque começou faz muito pouco tempo.


Minhas Leituras

Floresta de Homens (Valter Marques)

A história, de 2012, é uma ficção científica que, curiosamente, nem é uma utopia nem é uma distopia, mas trata do dia de aniversário de uma mãe (Maria de Fátima) e da viagem que ela e os dois filhos (Carla e Paulo Pedro) fazem. Eles vão visitar O Céu. Sim, esse mesmo, com “O” e “C” maiúsculo. O Céu.

A história está bem escrita, mas a caracterização das personagens, apesar de bem conseguida (mais pelos filhos, nem tanto pela mãe), podia ser mais curta, ou melhor aproveitada dentro da história.

E por falar nisso, a história acabou ficando um pouco aquém do que poderia ser, considerando o tema que abordou, mas que acabou sendo atacado de forma muito tímida. Aqui, não sei até que ponto as próprias crenças pessoais do autor podem ter interferido.

Pesquisando sobre o autor, só consegui encontrar outra história dele, também de 2012 (que tratarei em outra altura), o que é uma pena, porque penso que existe potencial, se trabalhado, para um escritor com histórias interessantes.

Minha avaliação: 3/5 (Gostei)

Futuroscópio (Miguel Montenegro)

Futuroscópio é uma Banda Desenhada (BD ou HQ), lançada em 2018, de autoria de Miguel Montenegro (Argumentos e Ilustrações, com algumas participações especiais. Além de ter trabalhado para a Marvel (EUA), é também autor das tirinhas Psicopatos.

Este trabalho me deixa um tanto em dúvida. Os desenhos em si são de bastante qualidade, mas os temas abordados me deixaram um tanto confuso…

As histórias abordam vários futuros possíveis, e algumas parecem fazer parte de um mesmo universo, ainda que possam ser lidas de forma isolada, pois não estão conectadas. Quase todas tratam de um de dois temas: Gênero e sociedades voltadas para o Bem-estar “forçado” da população.

A confusão surge da nítida ironia e sarcasmo usados nas histórias, porque, pelo menos numa primeira leitura, me escapa o alvo… Prefiro pensar que o alvo seja o exagero em si, que é o que me parece mais provável, mas você pode ter uma opinião diferente.

Minha avaliação: 3/5 (Gostei, mas merece uma releitura mais atenta)

O Saque de Lampedusa (João Barreiros)

O Saque de Lampedusa um conto de João Barreiros que adquiri em meio digital para ler no meu e-Reader (um Kobo). Sendo um conto não muito extenso, lê-se rapidamente.

A história é basicamente a descrição das memórias de um “tanque/robô?” usado no ataque à uma ilha, ocupada por fábricas que se tornaram seres sensientes? e se multiplicam, já tendo invadido e escravizado os seres humanos no Norte de África.

Bem escrito, ainda que passe muito tempo nas divações do tanque/robô? que, na prática, foi fundido com uma parte da consciência de um voluntário (que não sabia bem no que se metia, aparentemente). Parece uma daquelas histórias feitas mais para dar contexto a um universo em particular do que pela história em si. No caso, contexto ao universo do “Deus Morto”, também mencionado de leve neste texto (que apesar de tudo, me parece ser uma ideia muito interessante).

Minha avaliação: 3/5 (Gostei).


Outras Leiturtugas

Euronovela (Miguel Vale de Almeida) – Comentário no Intergalactic Robot.

O Engenho dos Sonhos (Carina Portugal) – Comentário no Lâmpada Mágica.

Yazik (Manuel R. Marques) – Comentário no Lâmpada Mágica.

Antologia de Ficção Científica Fantasporto (Vários) – Comentário no Intergalátic Robot.

P.S. Tenho o Antologia de Ficção Científica Fantasporto, que já li faz alguns anos, e eventualmente faça uma releitura para comentar aqui também.

Eu & Cinco de Portugal #6

Passei Outubro de 2018 em Bragança, no norte de Portugal. Fui a trabalho, mas ao fim do dia e aos fins de semana, sem muito o que fazer, eu acabava saindo bastante para passear e tirar fotografias. E foram mais de 1000 fotografias… hahahahaha

Um dia eu tenho de processar tudo isso. Se eu conseguir me aposentar, e não morrer logo a seguir, quem sabe?

Continuar lendo “Eu & Cinco de Portugal #6”