De novo e de novo e de novo…

A realidade é feita de um todo que está separado em infinitas partes.
E elas se juntam e se separam e vem e vão.
É a vida. É assim que a vida funciona. E a vida não se importa com você.
Ela apenas é. Assim. Caótica. Repentina. Insensível.
Busque ver a beleza da incerteza do que pode acontecer.
Aproveite o que de bom ela te traz.
Aprenda as lições que ela te der.
Aceite.
Viva.

Ciclos. Voltas. Nascimentos. E tudo começa outra vez…
(foto: Joana G. S. Morais)
Tracy Chapman – New Beginning

New Beginning

(Tracy Chapman)

The whole world’s broke and it ain’t worth fixing
It’s time to start all over, make a new beginning
There’s too much pain, too much suffering
Let’s resolve to start all over make a new beginning

Now don’t get me wrong I love life and living
But when you wake up and look around at everything that’s going down 
All wrong
You see we need to change it now, this world with too few happy endings
We can resolve to start all over make a new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

The world is broken into fragments and pieces
That once were joined together in a unified whole
But now too many stand alone There’s too much separation
We can resolve to come together in the new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

We can break the cycle – We can break the chain
We can start all over – In the new beginning
We can learn, we can teach
We can share the myths the dream the prayer
The notion that we can do better
Change our lives and paths
Create a new world

And Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

The whole world’s broke and it ain’t worth fixing
It’s time to start all over, make a new beginning
There’s too much fighting, too little understanding
It’s time to stop and start all over
Make a new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

We need to make new symbols
Make new signs
Make a new language
With these we’ll define the world

And start all over
Start all over
Start all over
Start all over …


1Uma boa páscoa para quem celebra esta data. Bom descanso para quem dela pode aproveitar.

2E após o interregno, nos reinventamos, e recomeçamos.

3(EDIT) Para quem ficou curioso, o nosso pequenote está a ler “Pavor Espaciar”, uma Graphic MSP do Chico Bento (meu personagem preferido da Turma da Mônica), desenhada pelo Gustavo Duarte (uma entrevista dele sobre o trabalho aqui).

Eu & 5 de Portugal #7

O Passado…

O passado é um sonho que precisa ser sonhado. E cada sonho que sonhamos é diferente, porque o passado é um sonho que não se repete.
Eu sei. Temos medo do passado. É no passado onde estão os nossos fantasmas. Temos medo que eles nos vejam e voltem… E como crianças pequenas fechamos os olhos e nos escondemos debaixo das cobertas. Mas de olhos fechados o futuro não vem.
O passado é um sonho que precisa ser sonhado, porque são nossos sonhos que moldam o futuro. E o Futuro, sem sonhos, não tem razão de ser…

A porta convida. A luz convida. A noite convida. Entra…
Did you bring the carrots, little human?
Brinca como se não houvesse amanhã. Não há…
Miau!
Portugal… Verão. Ontem? Ou teria sido há 20 anos?

Constant Craving

K.d. Lang (interpretada por John Paul White)

Even through the darkest phase
Be it thick or thin
Always someone marches brave
Here beneath my skin

And constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Maybe a great magnet pulls
All souls to what’s true
Or maybe it is life itself
That feeds wisdom to its youth

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been
Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been
Has always been
(Has always)
Always been
(Has always)
Always been
Has always been
Has always been
Has always been


1Não. Não sei porque raios é que os burricos falam em Inglês…

2Não. Não sei porque raios é que os gatos falam em Miês…


Eu & Cinco de Portugal #6

Passei Outubro de 2018 em Bragança, no norte de Portugal. Fui a trabalho, mas ao fim do dia e aos fins de semana, sem muito o que fazer, eu acabava saindo bastante para passear e tirar fotografias. E foram mais de 1000 fotografias… hahahahaha

Um dia eu tenho de processar tudo isso. Se eu conseguir me aposentar, e não morrer logo a seguir, quem sabe?

Continuar lendo “Eu & Cinco de Portugal #6”

Eu & 5 de Portugal #5

Pois é… Pela primeira vez na vida, o Eu & 5 de Portugal vai ser feito logo depois de um outro Eu & 5 de Portugal…

Dizem que a vida é feita de primeiras vezes, não é? Não dizem que há sempre uma primeira vez para tudo? Pois que seja. Continuar lendo “Eu & 5 de Portugal #5”

Eu & 5 de Portugal #3

Já fazia algum tempo que eu não colocava nada “visual”, aqui no blog, sobre o meu Portugal. Meu, porque já é meu. Agora é tarde. Adotei e fui adotado. Não há volta a dar.

Mas pronto, quando chega a hora, chega a hora, e hoje esse post impunha-se.

O pequenucho viu o belíssimo dia que fazia lá fora e quis ir ao “Parque dos Vermelhos”, que é o nome que ele deu ao Parque Urbano do Jamor, que está integrado no Complexo Desportivo do Jamor, em Cruz Quebrada (Oeiras). Quando ele pediu, a primeira vez, para ir ao “Parque dos Vermelhos”, tinha ele não sei, talvez uns 3 anos, foi um parto pra descobrir qual era o parque. Tivemos que pegar o carro e dar umas voltas por alguns parques que ele já tinha visitado até ele apontar o correto… Continuar lendo “Eu & 5 de Portugal #3”

A Abelhuda…

Eduardo abriu a porta mas parou o movimento repentinamente, fazendo a porta vibrar como se tivesse ido de encontro a uma parede. O pequeno estava no sofá da sala, inundada por uma luz matinal que prenunciava o calor que a qualquer momento deveria chegar.

— Filho, vou comprar pão. Quer alguma coisa especial?
— Não. Hoje eu quero papa.
— Ok.

O corredor ainda estava fresco. Bocejou. Olhou para a escada, apenas um andar, mas o joelho andava a incomodar e ele já sabia que a descida não seria agradável. Dito e feito, suas capacidades premonitórias não falharam e antes mesmo de chegar à porta do edifício já tinha amaldiçoado gerações inteiras de engenheiros que não gostam de elevadores. Continuar lendo “A Abelhuda…”

Das coisas que queria ter sabido 30 anos atrás.

Todos somos diferentes. E todos somos iguais. Todos precisam de algo diferente. Mas todos precisam de algo. E no fim, precisamos sempre das mesmas coisas. Porque somos diferentes, mas somos iguais.

Eu? Eu preciso do tempo.

Dei-me conta que ando sempre a correr. Atrás do quê? Não sei bem. Sinto-me como aquele cara que acorda com a gritaria e sai correndo, porque todos estão correndo, e ele não faz a menor ideia do que se passa. Continuar lendo “Das coisas que queria ter sabido 30 anos atrás.”

Eu & 5 de Portugal #2

Andava eu à procura de umas fotografias de Portugal para vos mostrar e encontrei algumas que, espero eu, possam mostrar um pouquinho mais sobre como enxergo este lugar. Só um tiquinho. Sem exageros. Meu Portugal, por assim dizer.

Dizem que a realidade somos nós que criamos. As vezes eu acredito nisso.

Fica aqui então este pequeno registro fotográfico. Diferentes lugares. Diferentes momentos. Diferentes olhos. Todas com algo em comum, mais do que simplesmente eu e Portugal.

(E por tradição, 5 serão 6)

IMG_2222_small
Pelos ao vento, teje atento! (Guincho)

IMG_4140_small
Aquele fim de tarde, eu e você. Todos esperando o vento. (Marina de Oeiras)

IMG_4169_small
Aquela da pintura à óleo que ninguém pintou (Parque das Nações)

IMG_3648_small
Eita que carranca?! (Cascais)

p1010195_small
Tudo é teu até onde a vista alcança (São Jorge, Açores)

E claro, a derradeira…

p1000543_small
Os pescadores e o mar de diamantes (Paço de Arcos)

Abraços!

Eu & 5 de Portugal #1

A Mãe do Vico e do Ludo perguntou:

Depois de ter aberto meu coração, gostaria de saber quais são as motivações de vocês, que também escrevem regularmente, muitos blogueiros e blogueiras até mais de duas vezes por semana aqui no WordPress, que é a meta que eu tento manter para o LudoeVico, ou em outros meios, como o bom e velho caderninho de anotações.

As vezes penso que é por pura falta do que fazer. As vezes, porque a vida de quem escreve, aquela que invento, obnubila-me, diria o Alan. As vezes parece-me que é por aquilo que me dão em troca. Os elogios, claro, que de críticas já chegam as minhas próprias. E por vezes é sempre pelo dinheiro, que um dia, tenho certeza, hei de receber. Tal e qual o senhor de “O Segredo” que pensava positivo e recebia cheques pelo correio. Há dias em que penso que afinal é pela fama. Ou pelo sucesso. Ou por tudo aquilo que nem sei que existe, mas que conseguirei, tenho certeza.

Mas a verdade é que não sei.

Não sei porque escrevo. Qual a razão? O motivo? O sentido? Não sei, porque quando escrevo nada importa a não ser o ato. Nada existe para além desse momento, em que mãos e olhos tentam traduzir o que vai na minha cabeça e no meu coração. Não sei porque escrevo. Sei que escrevo só quando tenho vontade. Quando há algo que quer sair. Quando preciso expulsar o que se agarra nas minhas entranhas e me mói o juízo. Escrevo quando está frio. Escrevo quando a solidão me chama e me basta. Sei tudo isso, mas não sei porque escrevo.

Quando escrevo, nada existe, tudo é fantasia. Tudo está dentro desta cabeça oca, ou se preferir, vazia.

Sendo assim, não tenho resposta para dar. E se isso por si só deveria bastar, mas tal não se verifica, fica, que tenho ainda algo pra te mostrar.

Como prenda e pedido de desculpas, deixo-te aqui 5 momentos de mim e de Portugal.
Aceitas?

7
A Gaivota (ou aquela que tem 100 anos de perdão…)

17
O Mar de Algodão

21
Pra cima

23
H      2      O

p1000613
O dia em que São Pedro trocou a água por gasolina

E apesar de eu ter dito que eram 5, queria muito por esta a seguir, então vou começar já rebelando-me contra mim mesmo…

IMG_3760
O Ocaso que queria ser Aurora

 


1Esta será uma série periódica: Eu & 5 de Portugal

2Obnubilar. Ofuscar.

3A imagem que será sempre usada com esta série é da minha primeira visita a Portugal, em 2005. Nela estou às portas do Mosteiro dos Gerónimos, em Belém.

Zambujeira do Mar & Cabo Sardão

Em Dezembro de 2016, passamos uns dias na Herdade do Touril, na Zambujera do Mar, Alentejo. Mais precisamente, na Costa Vicentina.

Ao contrário do Brasil, nessa época do ano está inverno em Portugal, que é frio (pois…) e chuvoso (oh sim…). Claro está, pegamos chuva. Mas valeu muito a pena, porque é uma zona muito bonita, na maior parte do tempo fez sol (mas do frio não escapamos) e é sempre bom pegar a estrada e sair da rotina. Além disso, por ser absolutamente fora da temporada, basicamente não havia turistas (algo que eu adoro). Na volta, passamos pelo Cabo Sardão para visitar. Há o farol e a vista é espetacular. Além disso, a sala comum da herdade (que é magnífica), tinha lareira… ho ho!

A Zambujeira do Mar é conhecida também pelo facto de ser o local de eleição para a realização de um dos grandes festivais de verão, o MEO Sudoeste, com muitos concertos com atrações nacionais e internacionais. Estes festivais atraem pessoas de várias partes da Europa. Para quem curte é excelente pedida.

Mas o que eu gosto mesmo é visitar os lugares, conhecer os costumes, a arquitetura, os bichos, provar a gastronomia local (quando possível) e claro, descansar. O que nem sempre é fácil com um pimpolho pequeno para tomar conta. 😉

Ainda há tanto por conhecer em Portugal… Aos poucos… Aos poucos…

Deixo aqui um pequeníssimo registo fotográfico de nossa estada na Costa Vicentina.

IMG_5982_small
Herdade do Touril

IMG_5784_small
Herdade do Touril (quarto onde ficamos)

IMG_5956_small
Vizinhos I (sim, as bolinhas pretas são aquilo mesmo…)

IMG_5953_small
Vizinhos II

IMG_5798_small
Vizinhos III

IMG_5989_small
Pôr-do-sol na herdade do Touril (sim, aquilo é o mar…)

 

IMG_6018_small
Lá vem a chuva!!! Ou será vinho…? Ô.ó

IMG_5671_small
Zambujeira do Mar (não, não é a praia…)

IMG_5720_small
Zambujeira do Mar (sim, é a praia…)

IMG_5807_small
Zambujeira do Mar, vista da cidade

IMG_5623_small
Herdade do Touril. Telhado. Noite. Sujeira na lente, provavelmente.

IMG_6094_small
Cabo Sardão

IMG_6078_small
Cabo Sardão (sim, é o chão)

IMG_6133_small
Todos os caminhos levam ao Farol

IMG_6149_small
O Farol

IMG_6153_small
Sim, era Dezembro…

Espero que tenham gostado das fotografias e que se tiverem oportunidade de vir à Portugal, quem sabe não ficam com vontade de passar por lá para visitar?

Abraços!