Feira do Livro de Lisboa 2019

Este pequeno “artigo” serve a dois propósitos:

  • Mostrar o que foi que adquirimos na 89ª Feira do Livro de Lisboa (2019).
  • Quebrar o jejum de textos aqui no blog (tenho muita coisa para publicar…).

Vamos a isso.

A feira do livro realizou-se, novamente, no Parque Eduardo VII. Um espaço muitíssimo agradável. Fomos duas vezes à feira. Da primeira vez fizemos uma compra rápida. Já era mais para o fim da tarde e a feira estava lotada. Da segunda vez fomos pela manhã, mal acordava a feira. Foi muito agradável, mas ainda assim foi uma visita rápida, que os custos dessa visita não paravam de subir…

A exemplo de anos anteriores, que nunca menionei antes, boa parte das aquisições deste ano foram de livros infantis, mas acabamos também por investir em Banda Desenhada (quadrinhos).

Fica aqui então um registro do que trouxemos da feira. Ano que vem tem mais 🙂

Livros Infantis

Nasredin
A toupeira que queria saber quem lhe fizera aquilo na cabeça
Vamos Jogar?
Eu Quero a Lua
O Homem de Água
Depois da Chuva
O Médico do Mar
O Velho a preto e branco na Aldeia das Cores
O Livor que voa
O sonho de Mateus

Banda Desenhada

Chernobyl – A Zona
Histórias do Outro Mundo
Portais
Jardim de Inverno
Saga – Volumes 3 a 8

Outros

Hugo Pratt – O desejo de ser inútil
Banda Desenhada – Ensaio sobre a incoerência estilística
Os Mil e Um Fantasmas
Palavras do Livro do Desassossego
O Guardador de Rebanhos

1Eeeeeeeeeeeee é isso. 🙂

2Claro, já comprei mais livros depois da feira (e antes dela também, se for importante…).

3E para que não reste nenhuma dúvida…

Mourir Auprès de Toi

Mourir Auprès de Toi (ou To Die by Your Side em inglês) é uma animação do tipo “stop motion” com duração de 6 minutos. É uma comédia romântica. Sim… Bom… Não… Talvez? Certamente é uma comédia… Já a parte do romance, bom, deixo para vocês decidirem.

Mas eu acho que é pura poesia…

Algo muito importante em uma animação como essa, tão curta, é prestar atenção aos detalhes. Por isso, eu sugiro que vocês prestem atenção aos detalhes… 😉

E um detalhe que me chamou a atenção DEPOIS de ter assistido à animação, foi esse:

captura-de-pantalla-2011-10-23-a-las-13-29-47

É o livro “O Leopardo”, de Giuseppe Di Lampedusa. Eu já tinha ouvido falar do livro, e nesta semana, depois de ter assistido à animação, esse título já passou mais duas vezes à minha frente. Depois tive excelentes referência desse livro. Parece que é um daqueles livros do tipo “como assim você ainda não leu?”.

Fica aqui então a animação (tem de ir até o Vimeo para ver, mas vale a pena, eu juro).

Apenas… Mantenham a mente aberta… xD
Espero que gostem.

Deixo aqui alguns links que podem ser interessantes:

http://www.realitismfilms.com/
https://www.leonardcohenanimation.com/


1Ando sumido, eu sei. É a vida.

Manuela Não Acreditava no Amor

Porque esse é um dos meus contos preferidos, e muita gente ainda não o conhece…

Vale a pena a leitura. 😉

O Blog do Jauch

Manuela não acreditava no amor. Também não acreditava em gnomos, carros ou dentistas. A verdade é que simplesmente não acreditava. Fosse no que fosse. Aliás, Manuela não tinha nome. Não de nascença, pelo menos. O “Manuela” surgiu já muito tarde em sua curta vida. Somando-se o facto de não acreditar no amor, pode muito bem ter sido culpa do nome que lhe fora impingido, à revelia, a verdadeira causa do seu trágico fim. Quem poderá afirmar com toda a certeza?

Ver o post original 470 mais palavras

O Velho e o Mar – Hemingway e Eu

Uma das minhas histórias preferidas é O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway. Uma história relativamente curta, que trata de, bom, basicamente? Um velho que sai pra pescar… E mais não digo. Mas recomendo. Não é a tôa que ele é um dos grandes nomes da literatura mundial.

Recentemente adquirimos uma adaptação em banda desenhada, de Thierry Murat, que é um espetáculo (veja aqui). Continuar lendo “O Velho e o Mar – Hemingway e Eu”

A Vida, o Universo e Tudo o Mais #1

Pensei em começar a compartilhar, com vocês, um pouco sobre o que eu penso de tudo. Aos poucos, que é para não chatear ninguém. Como gosto de séries (já viu a minha série Eu & 5 de Portugal?), resolvi criar esta. De vez em quando venho cá dar uns bitaites sobre a vida, o universo e tudo o mais. Portanto, sem mais delongas, vamos a isso. Continuar lendo “A Vida, o Universo e Tudo o Mais #1”

A Sabedoria do Velho Ébrio

Nunca escrevi uma carta em toda minha vida. Esta é a primeira. E será também a derradeira.

Ando acamado já faz algum tempo. Nada me dizem, mas sei que não tardará para que meus dias aqui cheguem ao fim.

Depois de muito pensar, e já não tenho muito mais que fazer, mandei chamar o advogado, a quem passei minha última vontade. Tudo que tenho ficará para a caridade.

Ainda tenho esperanças que um dia entenderão, mas desconfio que quando tal acontecer, meus ossos terão se tornado poeira há muito tempo. Continuar lendo “A Sabedoria do Velho Ébrio”

Escorpião em Papel Alumínio

Importante. Se cá estás e ainda não leu o pequeno conto do post anterior, será mais engraçado se o ler primeiro 🙂

Devo, não nego, pago quando puder.

Essa tem sido uma das máximas que aplico em minha vida. Por mais que essa expressão esteja fortemente relacionada ao “malandro”, não é verdade. Pelo menos aqui. E como todo bom pagador, eu, eventualmente, acabo saldando minhas dívidas.

Faz algum tempo que publiquei o post anterior. Um pequeno conto. O texto era um experimento literário, de certa maneira, ainda que muito pessoal, mesmo sendo um conto. E eu perguntei se vocês seriam capazes de descobrir qual era a característica especial que eu quis dar ao texto.

Nos comentários, como é natural, acabei por descobrir que o texto tinha características que não foram propositais. Por exemplo, que ele aparentava ser um texto fantástico mas que era possível interpretá-lo como realista. Seria ele um texto realista? Um texto agarrado ao realismo mágico? Um texto fantástico, com uma componente sobrenatural, talvez?

Eu sei o que tinha em mente quando escrevi. Mas isso só é importante para mim. Para você, que leu, e que entendeu de forma divergente de mim e de outros, o que importa é se o que você leu fez alguma diferença para si, mesmo que momentaneamente. Para você, o que o texto é para mim e para os outros, não importa.

Entretanto, o experimento em sí é muito mais “neutro” em relação à interpretação, ao mesmo tempo em que não é. Mas por essa razão, e porque uma pergunta que à partida espera que uma resposta seja dada não pode, por qualquer razão que seja, ficar incompleta, eu deixo aqui a solução para o enigma que, pelas respostas, alguns conseguiram perceber, mesmo sem se aperceber que era esse o truque.

Ao ler o texto, conseguias imaginar a cena? Quem era o protagonista? Era eu? Era você? Era “alguém”? Era um homem ou uma mulher? Consegues dizer?

A imagem que ilustra este post quando colocada sob os holofotes do título que lhe dei, tem uma relação muito forte com essa minha tentativa de criar um texto, pequeno, em que a “identidade” da personagem principal esteja incompleta e só possa ser construída a partir da identidade e criatividade do próprio leitor. É um Pato Real na água. Mas porque é que “tem” de ser um pato? Porque é que tem de ser água? Porque não posso ver um escorpião navegando um mar de papel alumínio? Afinal, quem dita as regras?

O exercício foi transportar para um texto em prosa, ainda que curto, uma característica típica dos textos poéticos, que é a capacidade de ser universal. E no caso em concreto, universal ao ponto de garantir que o protagonista possa ser eu. Você. Outra pessoa qualquer.

Terei sido muito pretensioso? Provavelmente. 🙂


1Passei 3 semanas longe de casa, com uma rotina absolutamente desvairada. Sendo assim, estou 3 semanas atrasado nas leituras e comentários dos blogs que sigo. Espero que tenham sentido a minha falta 😛 lol Aos poucos vou colocando a casa em ordem 😉

Severino Lavrador, mas já não lavra…

Em meio ao pó e vento quente cresceu
Plantou e colheu, até não poder mais
No silêncio e na secura definhou 
Pois que esse é sempre o destino
De todo o sertanejo Severino
Sem nunca ter visto e vivido
Nascer, Crescer
Curvar e Morrer

Jauch

Uma pequena homenagem à esta magnífica obra: Morte e Vida Severina do escritor João Cabral de Melo Neto. O texto é um poema drámatico que conta o sofrimento da personagem Severino. Lembro-me de estudar o texto quando ia na escola. Lembro-me do sentimento de infantil deslumbramento diante da realidade que ele evocava. Lembro-me de ficar acordado até mais tarde, certa noite, para assistir com meus pais e minha avó ao especial produzido para a Rede Globo (quando essa ainda apresentava alguma coisa de jeito). Lembro-me ainda da angústia que senti, diante de todo sofrimento que eu via.

Continuar lendo “Severino Lavrador, mas já não lavra…”

A noite do mundo

A consciência chegou como quem não quer nada e, num rompante, deixa escapulir um beijo suave e sereno. Os olhos, pesados, piscaram. Nada. Não havia diferença entre o vazio do sonho e a escuridão da realidade. Ou seria o inverso? Decidiu. Estava escuro. Mexeu-se e a dor lancinou-o. Uma dor que parecia estar ali desde sempre. Sentia-se velho e o corpo parecia querer garantir-lhe que estava certo.

Segundos, minutos, horas. No escuro o tempo não existe. Deu-se conta do cheiro a mofo que pairava no ar, tão forte que pareceu-lhe ser possível tocá-lo. Uma urgente necessidade de sair dali abateu-se sobre ele. Pânico. Fechou os olhos e concentrou-se na sua respiração, até acalmar. Sentou-se com dificuldade. Tateou em redor e encontrou uma vela e fósforos. Riscou um e fez luz.

Continuar lendo “A noite do mundo”

Nosso Rico Português

Sim. Nosso Português é rico. Riquíssimo. Não falo de um Português qualquer, mas de nosso idioma, claro está. Ele tem tantos sabores. Tantas texturas. Tantas formas e cores…

O Português, para nós que crescemos tendo este idioma como o nosso idioma, é tão importante para a definição de quem somos como a nossa cultura em geral. Há pesquisas que apontam, inclusive, que o idioma tem um impacto tão grande em uma pessoa que pode definir a maneira como nós vemos o mundo e afetar as relações com o outro.

Sendo tão importante, faz todo sentido que exista um dia especial para ele.

No dia 5 de Maio é comemorado o dia da Língua Portuguesa e da Cultura. Entretanto, como só agora esbarrei no vídeo que vos quero mostrar, e porque não consigo voltar no tempo, fazemos isso hoje 😉

Continuar lendo “Nosso Rico Português”