Feira do Livro de Lisboa 2019

Este pequeno “artigo” serve a dois propósitos:

  • Mostrar o que foi que adquirimos na 89ª Feira do Livro de Lisboa (2019).
  • Quebrar o jejum de textos aqui no blog (tenho muita coisa para publicar…).

Vamos a isso.

A feira do livro realizou-se, novamente, no Parque Eduardo VII. Um espaço muitíssimo agradável. Fomos duas vezes à feira. Da primeira vez fizemos uma compra rápida. Já era mais para o fim da tarde e a feira estava lotada. Da segunda vez fomos pela manhã, mal acordava a feira. Foi muito agradável, mas ainda assim foi uma visita rápida, que os custos dessa visita não paravam de subir…

A exemplo de anos anteriores, que nunca menionei antes, boa parte das aquisições deste ano foram de livros infantis, mas acabamos também por investir em Banda Desenhada (quadrinhos).

Fica aqui então um registro do que trouxemos da feira. Ano que vem tem mais 🙂

Livros Infantis

Nasredin
A toupeira que queria saber quem lhe fizera aquilo na cabeça
Vamos Jogar?
Eu Quero a Lua
O Homem de Água
Depois da Chuva
O Médico do Mar
O Velho a preto e branco na Aldeia das Cores
O Livor que voa
O sonho de Mateus

Banda Desenhada

Chernobyl – A Zona
Histórias do Outro Mundo
Portais
Jardim de Inverno
Saga – Volumes 3 a 8

Outros

Hugo Pratt – O desejo de ser inútil
Banda Desenhada – Ensaio sobre a incoerência estilística
Os Mil e Um Fantasmas
Palavras do Livro do Desassossego
O Guardador de Rebanhos

1Eeeeeeeeeeeee é isso. 🙂

2Claro, já comprei mais livros depois da feira (e antes dela também, se for importante…).

3E para que não reste nenhuma dúvida…

O Velho e o Mar – Hemingway e Eu

Uma das minhas histórias preferidas é O Velho e o Mar, de Ernest Hemingway. Uma história relativamente curta, que trata de, bom, basicamente? Um velho que sai pra pescar… E mais não digo. Mas recomendo. Não é a tôa que ele é um dos grandes nomes da literatura mundial.

Recentemente adquirimos uma adaptação em banda desenhada, de Thierry Murat, que é um espetáculo (veja aqui). Continuar lendo “O Velho e o Mar – Hemingway e Eu”

Pétalas (Gustavo Borges & Cris Peter)

“Pétalas” é o título da história criada pelo gaúcho Gustavo Borges. É uma banda desenhada (quadrinhos). É uma história muito bonita, com uma pequena curiosidade: não há “falas”, o que tornou alguns dos momentos da história bastante desafiadores, como comenta o autor no próprio livro.

petalas-gustavo-borges-cris-peter-preview

Aqui em Portugal, foi editada pela Kingpin Books, em uma edição de luxo, com capa dura. A edição inclui a história, textos do autor Gustavo Borges e da colorista Cris Peter (também ela gaúcha), e interpretações das personagens feitos por outros desenhistas. Sendo um trabalho independente, tudo isso traz mais valor à obra (que seria excelente mesmo sem esses adendos).

O aspecto da ausência de falas tem variados impactos na obra. O mais óbvio é a facilidade em publicar em outros mercados, uma vez que não há necessidade de tradução da obra em si, resumindo-se aos textos dos autores.

Mas o impacto maior está, definitivamente, na leitura da obra. O leitor passa a ter uma participação mais efetiva na criação da história, uma vez que, a exemplo do que acontece com os livros (em geral), em que o leitor precisa imaginar o que o autor escreve, aqui ele precisa imaginar o que o autor não escreve. Para uma banda desenhada e para esta em especial, esse é um aspecto de muita relevância.

Confesso que os traços me lembram, vagamente, as histórias do Pato Donald. Mas se o autor foi lá beber dessa fonte, não tem importância. Os desenhos, as cores e a história são deliciosos.

Deixo aqui o link para uma entrevista, no YouTube (Canal “No Fio do Bigode”), onde o autor fala, entre outras coisas, do seu primeiro trabalho, as tirinhas “A Entediante Vida de Morte Crens” (que eu desconhecia mas vou correr atrás), o livro Pétalas e outros trabalhos. Como podem ver, é um “puto” (mesmo a entrevista sendo de 2015, ainda é. lol).

E aqui fica o link para o portfolio do Gustavo Borges:
https://www.behance.net/gustavosborges

É uma aquisição/leitura que eu recomendo 🙂

Abraços!