O País do Futuro

Eu estou há meses para escrever este texto.
E agora que eu comecei, a única certeza que eu tenho é que uma dúvida atroz assola minh’alma.

Em menos de uma semana, o Brasil irá decidir quem será seu presidente para o próximo mandato de 4 anos (2019-2022). Curiosamente, a escolha recai sobre os dois candidatos com maior rejeição que concorreram. Com metade da população dizendo “PT NUNCA MAIS” e a outra metade dizendo “#ELENÃO”, a polarização tornou-se absoluta.

Eu poderia tecer minhas considerações sobre cada um deles, mas não farei isso. Não é medo ou coisa parecida. Tenho minhas convicções e não me envergonho delas. Eu já decidi meu voto. Eu tomei um lado. Eu tenho minhas razões. Mas criticar um ou outro, agora, seria praticamente inútil.

Depois de meses participando de discussões sem fim em outras redes, fica óbvio para mim que, à exceção de uns poucos que ainda estão indecisos, não serão argumentos éticos ou técnicos que irão mudar o que vai acontecer. E provavelmente nunca esteve realmente em nossas mãos. Faltando tão poucos dias para a decisão, apenas os próprios candidatos podem decidir o que quer que seja. Portanto, eu deixo isso para eles, e para quem ainda tem pachorra pra isso.

Mas eu gostava de deixar cá uma reflexão.

O Brasil é grande. O Brasil é imenso. E no Brasil há muita gente. E o Brasil é muito complexo. E o Brasil não está sozinho no mundo. O Brasil é enorme, mas ainda é só um país confuso e complexo, com muita gente com pouca instrução e muito preconceito. O Brasil é um país pequeno no mundo, e depois de crescer muito, está se tornando cada vez mais pequeno novamente.

Lembre-se disso quando você for votar em um ou em outro, com a esperança de que o seu candidato vai mudar o país, que vai trazer mais empregos, que vai moralizar a política, que vai acabar com os “inimigos da pátria” e trazer a paz e os bons constumes de volta.

Ele não vai.

E o Brasil vai continuar sendo o país do futuro, enquanto você continuar buscando um salvador da pátria a cada quatro anos… E ao que parece, esse futuro é sombrio.

Porque o Brasil é o que você faz dele. E é o que faz com ou contra os outros que também são Brasileiros.

Deixo aqui uma música que embalou minha adolescência, e que continua um retrato fiel do país…

Que País É Esse?
(Legião Urbana)

Nas favelas, no Senado
Sujeira pra todo lado
Ninguém respeita a Constituição
Mas todos acreditam no futuro da nação

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

No Amazonas, no Araguaia iá, iá
Na Baixada Fluminense
Mato Grosso, Minas Gerais
E no Nordeste tudo em paz
Na morte eu descanso
Mas o sangue anda solto
Manchando os papéis, documentos fiéis
Ao descanso do patrão

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?

Terceiro mundo, se for
Piada no exterior
Mas o Brasil vai ficar rico
Vamos faturar um milhão
Quando vendermos todas as almas
Dos nossos índios num leilão

Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?
Que país é esse?


1Passei os últimos meses acompanhando as eleições no Brasil, e no último mês estive fora de casa, a trabalho. Por isso peço desculpas por ter meio que desaparecido das redes e de acompanhar os meus amigos aqui no WordPress e no Blogger. Já estou conseguindo normalizar as coisas. Nada como as eleições chegarem ao fim… 😉 hehe

João e Maria

— Perdão? O que foi que disse?

— Gostaria de passar, se faz favor

João ainda levou alguns segundos para perceber o que se passava. Estava bloqueando a passagem a uma senhora. Afastou-se desajeitadamente. Observou-a colocar o passe sobre o sensor e a cancela que dava acesso ao Metro abriu-se. Várias pessoas que já formavam uma fila fizeram o mesmo, algumas resmungando sobre a “falta de respeito” do senhor que lhes fazia perder tempo.

Tempo. Quanto tempo ainda tinha? “Alguns minutos”, pensou. Soltou um suspiro cansado, ombros caídos.

— Qualquer coisa é melhor do que isso — Sussurrou para si mesmo.

Esperou que alguém fosse passar a cancela novamente e aproveitou a “boleia”. Não tinha passe. Desceu as escadas em direção à plataforma, sem prestar muita atenção à sua volta.

Não estava ansioso. Desistira de viver há muito tempo. Apenas não tivera coragem de aceitar isso. Depressão, disseram-lhe. O que sabem os médicos? Nada. Eles não entendem. Não tem como entender.

Sentia um vazio no peito, tão grande, que por vezes pensava que ia ser tragado e desaparecer. Hoje era exatamente o que queria.

O som do Metro fez-se ouvir. João fechou os olhos. Aproximou-se da faixa amarela que indicava a linha de segurança. Tudo que queria era que seu sofrimento acabasse. Um passo e tudo estaria terminado.

— João?

Abriu os olhos. “Maria?”. Era a voz da Maria. Olhou ao redor. Apenas algumas pessoas esperavam na plataforma. Nenhuma era ela.

O Metro chegou. João ficou ali, parado, pensando em Maria. Já não sentia o vazio no peito. Sentia pontadas, como se alguém trespassasse seu coração com um grande espeto, muito lentamente.

— O senhor está bem?

Um rapaz saído do Metro que acabara de chegar notou sua face pálida. João tremia. Parecia estar prestes a desabar. O estranho ajudou-o a sentar-se em um dos bancos de espera que existiam na plataforma. Após alguns instantes, várias pessoas que vieram no mesmo vagão que o rapaz cercavam João.

— Foi só uma indisposição. Já estou melhor, obrigado

O rapaz ainda mostrou-se um pouco em dúvida, mas notando que a cor já voltava ao senhor que acudira, acabou por ir embora. Os outros seguiram-no. João esqueceu-se por completo do que tinha ido ali fazer. “Maria”. Era tudo em que pensava.

Ao chegar em casa, encontrou-a escura. O interruptor não funcionava. Acabou por desistir e foi até a cozinha. Abriu gavetas e portas de armários até encontrar o que procurava. Uma pequena garrafa de uísque já pela metade.

Dirigiu-se ao quarto e sentou-se na cama. Por alguns momentos que pareceram uma eternidade, deixou que o vazio em sua mente o protegesse da realidade. Perdeu o emprego. Tantos anos de trabalho jogados fora. Tanto tempo. Tempo. Tempo. Tempo. Seu tempo havia acabado. Sua vida não valia mais a pena. No fundo, sabia que já não havia mais nada para ele aqui. E o aqui que ele sentia já não ser o seu lugar, não se restringia somente às paredes do quarto, ou mesmo aos becos da cidade onde viveu toda a vida e onde passava a maior parte do tempo hoje em dia. Era a própria vida que o asfixiava.

Deixou-se cair na cama. Ficou ali. Imóvel. Esperando que o vazio, único amigo que lhe restava, ocupasse seus pensamentos novamente. Esvaziou a garrafa. Meio embriagado, fechou os olhos e dormiu.

Acordou ainda estava escuro. Podia ver a luz da rua que se esgueirava por entre as frestas da persiana e embatia contra o teto. Deu-se conta do perfume. Um suave aroma a pêssego. “Maria”. Tateou a cama e encontrou sua pele macia. Virou-se e seus olhares cruzaram-se. Ela sorria. Acariciou seu rosto. Beijaram-se. Fizeram amor. Maria adormeceu em seus braços.

Ele tentou manter os olhos abertos. Queria ficar assim para sempre. Queria que nada tivesse mudado. Queria não ser tão covarde. Queria ter dito que a amava. O uísque falou mais alto. Vencido, acabou por adormecer..

Acordou novamente já o sol ia alto no céu. Maria não estava mais lá. Um silêncio opressivo tomava conta da casa. Sentou-se na beirada da cama, tentando perceber o que tinha acontecido. Viu a garrafa de uísque caída ao lado da cama. Ainda podia sentir o perfume de Maria. Vestiu-se e saiu às pressas dali.

Andou a esmo pelas ruas da cidade. Pensava em Maria sem parar. Sentia que a cada passo o vazio fechava o cerco ao seu coração. Não suportaria outra noite como essa. Quando deu por si, encontrava-se a meio de uma ponte. Trepou a proteção e passou para o outro lado. Ficou ali, observando o Tejo. De onde estava, o rio parecia tão calmo, tão convidativo.

Ouviu uma sirene ao longe. Dali a pouco a guarda nacional estaria ali. Provavelmente seria a divisão de trânsito. Os motoristas que passavam pela ponte devem ter dado o alerta. Ou talvez as câmeras de vigilância. Conhecia um sujeito que trabalhava lá. Às vezes ele contava histórias do pessoal que parava o carro, abria a porta e saltava. Não lembrou se alguma vez ele chegou a comentar se algum dos que pulou sobreviveu, mas tinha certeza que as chances eram muito pequenas.

Sorriu, divertido. Sentia-se um verdadeiro clichê, prestes a pular de uma ponte. Mas o vazio era insuportável e a isso ele não achava piada.

Sentiu uma pontada no peito. Seus olhos encheram-se das lágrimas que por tanto tempo lutaram para fugir.

— João?

Maria. Sua voz. Seu perfume. Ela achegou-se e abraçou-o pelas costas, de forma carinhosa. João desatou a chorar, de forma convulsiva. O vazio tornou-se tão grande que nada mais importava. Colocou uma mão no bolso e retirou de lá uma aliança, pequena e delicada. Apertou a aliança no punho fechado. “Maria”.

— Perdão Maria. Perdão. Já não suporto mais

Deixou-se cair.

O carro da guarda nacional acabara de encostar, sirenes ligadas. Os dois policiais não tiveram tempo sequer de sair da viatura. Nada puderam fazer.

Foram testemunhas do vazio que acabou com a vida de João.

As únicas.

[Fim]


1Guarda Nacional – É a GNR, Guarda Nacional Republicana

2A primeira versão deste texto foi feita para um pequeno desafio em uma comunidade do Orkut (NEB – Novos Escritores do Brasil), em 2009, salvo erro. Uma versão revisada pelo José Geraldo Gouvêa, foi publicada na revista independente de literatura TEXTURA nº 1, em Novembro de 2010, que pode ser encontrada aqui. Acho que sou o único ser vivo que possui uma cópia impressa dessa revista…

textura

Portugal – Eurovisão 2018

Este ano o festival da Eurovisão está a ser realizado, pela primeira vez na história, em Portugal, uma vez que no ano passado, Portugal levou o título com a canção de Salvador Sobral.

Para quem tem preguiça de clicar em links, o festival da Eurovisão é um festival de música onde competem, atualmente, praticamente todos os países europeus. E mais alguns (Israel, Austrália, …).

A maioria das músicas “sucks”, no geral, mas é um festival engraçado e, claro, há sempre músicas fantásticas. Eu nunca quero ver, mas acabo sempre dando uma espiadela. É uma festa lindíssima e o público que vai ao local assistir em direto é, digamos, pouco convencional com a indumentária. Sexta, no metro, estava muito divertido. Continuar lendo “Portugal – Eurovisão 2018”

Dia do Trabalhador

Esta é a segunda vez que eu falo sobre o 1º de Maio, aqui no blog. A primeira você encontra aqui. Recomendo a leitura, para você compreender um pouquinho mais sobre como eu percebo a questão do trabalho no mundo.

E o que mudou de um ano para cá? Pouca coisa. O “posto de trabalho” continua sendo um bem raro e entre aqueles que conseguem um, a maioria morre de medo de perder.

Continuar lendo “Dia do Trabalhador”

La Tortue Rouge

Faz algum tempo assisti a uma animação chamada La Tortue Rouge (A Tartaruga Vermelha).

Esta animação é uma produção conjunta entre Japão, França e Bélgica, sendo que o diretor é Michael Dudok de Wit, tendo sido convidado pelos estúdios Ghibli, bastante conhecido no mundo das animações japonesas, para a realização do filme. Continuar lendo “La Tortue Rouge”

Das coisas que queria ter sabido 30 anos atrás.

Todos somos diferentes. E todos somos iguais. Todos precisam de algo diferente. Mas todos precisam de algo. E no fim, precisamos sempre das mesmas coisas. Porque somos diferentes, mas somos iguais.

Eu? Eu preciso do tempo.

Dei-me conta que ando sempre a correr. Atrás do quê? Não sei bem. Sinto-me como aquele cara que acorda com a gritaria e sai correndo, porque todos estão correndo, e ele não faz a menor ideia do que se passa. Continuar lendo “Das coisas que queria ter sabido 30 anos atrás.”

O Que Você Faria?

Crise. Já ouviu essa palavra? Provavelmente é das palavras mais faladas (e ouvidas, por conseguinte), desde há muitos anos. Estamos permanentemente em crise. Econômica, política, social, ambiental, humanitária… Mas mais do que todas essas, estamos permanentemente em crise pessoal.

Se te disserem que está tudo bem, desconfie. Há quem se defenda da sua crise fingindo que ela não existe. Sim, porque estamos em crise desde que nascemos. Pra começar, mal saímos da mãe, já nos dão uma bolachada. E pra quê? Só pra ver a gente chorar? Tem coisa mais sádica do que essa? Bater num pobre e indefeso bebê? Mas adiante, que a vida é curta, mas só quando a gente olha pra frente. Pra trás até parece que eu nasci no século passado. Continuar lendo “O Que Você Faria?”

Severino Lavrador, mas já não lavra…

Em meio ao pó e vento quente cresceu
Plantou e colheu, até não poder mais
No silêncio e na secura definhou 
Pois que esse é sempre o destino
De todo o sertanejo Severino
Sem nunca ter visto e vivido
Nascer, Crescer
Curvar e Morrer

Jauch

Uma pequena homenagem à esta magnífica obra: Morte e Vida Severina do escritor João Cabral de Melo Neto. O texto é um poema drámatico que conta o sofrimento da personagem Severino. Lembro-me de estudar o texto quando ia na escola. Lembro-me do sentimento de infantil deslumbramento diante da realidade que ele evocava. Lembro-me de ficar acordado até mais tarde, certa noite, para assistir com meus pais e minha avó ao especial produzido para a Rede Globo (quando essa ainda apresentava alguma coisa de jeito). Lembro-me ainda da angústia que senti, diante de todo sofrimento que eu via.

Continuar lendo “Severino Lavrador, mas já não lavra…”

a cara de quem levou tanta porrada

Eu raramente “reblogo” o que quer que seja.
Mas este texto, esta poesia, esta dor em linha…
Isso é “do caraças”.

E todo mundo tem de ter o direito de o ler…
E pensar.
E olhar para si mesmo.
E talvez até chorar.
E no fim, erguer a cabeça, bendizer a própria sorte.
E com menos ou mais porradas, continar.


 

lux et voluptas

queria ter menos cara de quem levou tanta porrada

queria ter a carcaça mais fina

um olhar menos esperando o próximo soco

queria esperar menos o pior de tudo e de todos

queria a dissimulação de quem diz “não, obrigado”

a irrelevância de um estúpido “de nada”

 

eu aguento, mas eu queria mesmo era ter

menos cara de quem levou tanta porrada

 

queria ter a sofisticação de uma infância tranquila

a classe da despreocupação

de um fino vestido longo estampado

ajustado a uma pele branquinha e sem eczemas

a esguiez aristocrática de quem não conhece

o gosto do próprio sangue escorrendo nos lábios

nem do sufoco da espera lastimada

 

eu aguento, mas eu queria mesmo era ter

menos cara de quem levou tanta porrada

 

eu revido sempre

deixo cicatrizes nos outros

aguento bem o tranco

mas eu queria mesmo era

o silêncio de quem esvazia a…

Ver o post original 182 mais palavras