O Jauch

eduardojauch
Muá, com uns 4 anos, eu acho…

Nasci em São Paulo (capital) em 1977 (façam as contas), mas fui criado em Curitiba. Fiz o primeiro grau em diferentes escolas por motivos alheios à minha vontade (sempre fui bom aluno :P), terminando no Bagozzi, onde tirei segundo lugar em um torneio de Xadrez, em que uma das partidas ganhei com um Pastorzinho (sim, isso mesmo). Terminei a 8º série com média geral 9.4 (eu disse que era bom aluno…). Fiz o segundo grau técnico em Eletrônica no antigo CEFET-PR (hoje UTFPR), onde aprendi a matar aulas e programar computadores. Nessa altura, comecei a frequentar a Itiban (loja especializada em quadrinhos e RPG), e foi lá que fui recrutado para tocar contra-baixo numa banda que inicialmente se chamava Kamasutra e depois, porque alguém já tinha usado esse nome antes) mudou de nome para Caranguejo Sá.

foto2
Caranguejo Sá no Spot Bar.

Entrei para a faculdade (Engenharia Agronômica na UFPR)  e comecei a tocar em bares à noite (combinação pouco saudável, digo-vos já). Larguei a namorada, larguei a banda e penei para terminar a faculdade, que era a tempo integral mas que eu precisava partilhar com a necessidade de trabalhar e as minhas periódicas crises existenciais (do tipo “o que é que eu estou fazendo aqui…”).  Nessa altura, por indicação médica, achei que estava ficando assim meio passado da cabeça, comecei a praticar Aikido com o sensei Jaison Fujita, no Shinji Dojo, quando este ainda era na Rua Nilo Cairo.

jauchandfujita
Sensei Fujita demonstrando técnica (em mim)

Fiz as pazes com a vida (ainda que volte e meia a gente tenha uns arranca-rabos), arranjei uma namorada (overseas…) e após concluir a faculdade, mudei-me para Portugal, onde estou até hoje. Aqui passei 7 anos trabalhando como pesquisador no Instituto Superior Técnico, vivendo à base de “bolsas”, e recentemente voltei ao setor privado, na área de informática. Treinei 4 anos com o sensei Bruno Jesus (hoje em França), e quando meu filho nasceu, fiz um intervalo. Voltei a treinar recentemente, com o sensei Francisco Leotte no Heiwa Dojo, no Clube de Ginástica Nacional. Fora isso, passei a infância e adolescência desenhando e, às vezes, penso que sou escritor. Em 2010 descobri um golpe e denunciei, publicamente, e à Polícia Federal. Rendeu ameaças, gente se fazendo passar por mim (o mail do sapo.pt com meu nome não é meu) e bastante dor de cabeça. Mas acho que acabou em pizza…

Curto minha família, desenhar, comer, Aikido, passear, chuva, poesia e boas histórias, música, linhas de baixo, dar risada, amar e ser amado, encrencas (as vezes), paz de espírito (o tempo todo), e muitas outras coisas.