De novo e de novo e de novo…

A realidade é feita de um todo que está separado em infinitas partes.
E elas se juntam e se separam e vem e vão.
É a vida. É assim que a vida funciona. E a vida não se importa com você.
Ela apenas é. Assim. Caótica. Repentina. Insensível.
Busque ver a beleza da incerteza do que pode acontecer.
Aproveite o que de bom ela te traz.
Aprenda as lições que ela te der.
Aceite.
Viva.

Ciclos. Voltas. Nascimentos. E tudo começa outra vez…
(foto: Joana G. S. Morais)
Tracy Chapman – New Beginning

New Beginning

(Tracy Chapman)

The whole world’s broke and it ain’t worth fixing
It’s time to start all over, make a new beginning
There’s too much pain, too much suffering
Let’s resolve to start all over make a new beginning

Now don’t get me wrong I love life and living
But when you wake up and look around at everything that’s going down 
All wrong
You see we need to change it now, this world with too few happy endings
We can resolve to start all over make a new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

The world is broken into fragments and pieces
That once were joined together in a unified whole
But now too many stand alone There’s too much separation
We can resolve to come together in the new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

We can break the cycle – We can break the chain
We can start all over – In the new beginning
We can learn, we can teach
We can share the myths the dream the prayer
The notion that we can do better
Change our lives and paths
Create a new world

And Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

The whole world’s broke and it ain’t worth fixing
It’s time to start all over, make a new beginning
There’s too much fighting, too little understanding
It’s time to stop and start all over
Make a new beginning

Start all over
Start all over
Start all over
Start all over

We need to make new symbols
Make new signs
Make a new language
With these we’ll define the world

And start all over
Start all over
Start all over
Start all over …


1Uma boa páscoa para quem celebra esta data. Bom descanso para quem dela pode aproveitar.

2E após o interregno, nos reinventamos, e recomeçamos.

3(EDIT) Para quem ficou curioso, o nosso pequenote está a ler “Pavor Espaciar”, uma Graphic MSP do Chico Bento (meu personagem preferido da Turma da Mônica), desenhada pelo Gustavo Duarte (uma entrevista dele sobre o trabalho aqui).

Música

Música.
Sempre a música.
Sempre há música.
Em todo lado.
Mas quando é noite… Ah…
A noite transforma a música.
Ou os ouvidos.
Potencializa uma compreensão que transcende o raciocínio.
Abre portas e janelas e deixa o universo entrar.
E não estamos sós, porque somos tudo e compreendemos tudo.
E ela, a música, nos mostra que sempre esteve ali…
Música.
Sempre a música.
Que sempre seja música.
Que a noite sempre traga.
Música.

Jauch

Chão de Giz

Zé Ramalho

Eu desço dessa solidão
Espalho coisas
Sobre um Chão de Giz
Há meros devaneios tolos
A me torturar
Fotografias recortadas
Em jornais de folhas
Amiúde!

Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes
Eu vou te jogar
Num pano de guardar confetes

Disparo balas de canhão
É inútil, pois existe
Um grão-vizir
Há tantas violetas velhas
Sem um colibri
Queria usar, quem sabe
Uma camisa de força
Ou de vênus

Mas não vou gozar de nós
Apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom

Agora pego
Um caminhão na lona
Vou a nocaute outra vez
Pra sempre fui acorrentado
No seu calcanhar
Meus vinte anos de boy
That’s over, baby!
Freud explica

Não vou me sujar
Fumando apenas um cigarro
Nem vou lhe beijar
Gastando assim o meu batom

Quanto ao pano dos confetes
Já passou meu carnaval
E isso explica porque o sexo
É assunto popular

No mais, estou indo embora!
No mais, estou indo embora!
No mais, estou indo embora!
No mais!

Eu & 5 de Portugal #7

O Passado…

O passado é um sonho que precisa ser sonhado. E cada sonho que sonhamos é diferente, porque o passado é um sonho que não se repete.
Eu sei. Temos medo do passado. É no passado onde estão os nossos fantasmas. Temos medo que eles nos vejam e voltem… E como crianças pequenas fechamos os olhos e nos escondemos debaixo das cobertas. Mas de olhos fechados o futuro não vem.
O passado é um sonho que precisa ser sonhado, porque são nossos sonhos que moldam o futuro. E o Futuro, sem sonhos, não tem razão de ser…

A porta convida. A luz convida. A noite convida. Entra…
Did you bring the carrots, little human?
Brinca como se não houvesse amanhã. Não há…
Miau!
Portugal… Verão. Ontem? Ou teria sido há 20 anos?

Constant Craving

K.d. Lang (interpretada por John Paul White)

Even through the darkest phase
Be it thick or thin
Always someone marches brave
Here beneath my skin

And constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Maybe a great magnet pulls
All souls to what’s true
Or maybe it is life itself
That feeds wisdom to its youth

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been
Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been
Has always been
(Has always)
Always been
(Has always)
Always been
Has always been
Has always been
Has always been


1Não. Não sei porque raios é que os burricos falam em Inglês…

2Não. Não sei porque raios é que os gatos falam em Miês…


Os quem?

— Cara! Descobri uma banda do caraças!!!

— Ah é? Fixe! Como é o nome?

— The Hu!

— The Who?

— Isso! The Hu!

— Ah… Acho que já ouvi falar…


Uma das coisas que eu gosto de fazer é descobrir música. Muitas vezes fico a navegar pelo Youtube (principalmente, ainda que o esquema de propaganda deles me irrite profundamente…), ou outros sites de música, em busca de coisas que eu não conheça (novas para mim, não necessariamente “novas” de todo).

Num destes passeios pela web, em busca de novas trilhas sonoras para a minha vida (ou para os meus textos, dá na mesma), deparei-me com uma banda chamada “The HU Band”. Pois, o micro conto acima é uma piada, claro, porque eu leio HU e WHO da mesma maneira: RRU. E não é sobre a banda The Who que esse post vem falar (ainda que eu também goste).

Mas o que é que essa banda tem de diferente? Bom, ela é da Mongólia… Ouiéééé. E eles cantam em Mongol. As letras são interessantes, muito voltadas para o respeito às tradições, exaltando o orgulho de ser Mongol, mas não de uma forma “totalitarista”. Antes, mais como uma forma de valorizar uma cultura que tem milênios. Pelo menos é o que me pareceu.

Além da sonoridade que muito me agrada, uma mistura de sons que facilmente se identifica como orientais, muito provavelmente por conta dos instrumentos utilizados, tipicos da região, misturada com levadas mais modernas (as músicas são assim mais “pesadas”), uma das coisas que me atraiu foi o visual (as roupas, os adornos dos instrumentos), e também as letras, que trazem muito dessa cultura, que muitos de nós só deve conhecer através do nome do grande conquistador, Gengis Khan.

O estilo de música dessa banda é chamado de HUNNU ROCK.

Ficam aqui os dois vídeos com músicas dos The HU Band que eu encontrei.

Em ambas é possível ligar as legendas em Inglês (pelo menos) e acompanhar a letra enquanto se ouve a música.

Claro que depois deles eu encontrei outras bandas de origem Mongol. Vou deixar duas aqui, para vocês conhecerem.

A primeira são os Hanggai. Eles são de etnia Mongol, e tiveram de aprender o idioma Mongol para cantar em seu idioma ancenstral, quando decidiram enveredar por essa via (eles vivem na China). Esse vídeo é de uma apresentação deles em um show ao estilo “The Voice”, mas Chinês. Também se fala Mongol na China, e não só (wikipedia sobre Mongol).

A segunda, com um som mais ocidental, mas ainda assim cantado em Mongol, é a banda Nine Trasures, que li alguém classificar como “Mongol Folk Metal” 😀


1Daí você pergunta: WTF??? Bom, eu pensei, provavelmente o último post do ano, queria que já fosse algo novo para começar bem o ano que vem. Nada melhor que música Mongol para alcançar algo NOVO, não? 😀

2Fica aqui uma foto de alguém que eu conheço que ficou fanático por música Mongol (principalmente dos Hanggai…)

2018-12-29 09.39.59
O meu pequenucho curtindo um rock mongol

3Como resolução de fim de ano, relativa ao blog, fica o desejo de conseguir publicar um post por semana, em 2019. Vamos lá ver se um milagre acontece e eu consigo a, …, como é mesmo o nome da palavra…? Putz, meu cérebro até se recusa a lembrar dela… É aquela coisa que os soldados tem de ter… DISCIPLINA! Isso. 🙂 Vamos ver se acontece um milagre e eu consigo ser disciplinado (coisas para trazer cá para o blog é que não faltam… rs).

4Feliz Natal!!! Feliz Ano Novo!!! 😀

5Não te deu uma vontade louca de abrir uma enciclopédia e ir ler sobre a Mongólia? 😀

O meu dia da criança…

Happiness Does Not Wait

(Olafur Arnalds)

 


Querer

Eu tive mãe. E eu tive pai.
Eu fui criança e ainda seria.
Toda feliz e despreocupada.
Mas eles aqui já não estão mais.

Meu pai partiu quando eu fui embora.
Ele disse à minha mãe que era pra sempre.
Ainda lembro do rosto dele na rodoviária.
Eu disse adeus e nem sabia.

Minha mãe partiu algum tempo depois.
A cama vazia não enchia o coração dela.
Foi embora assim devagarinho.
Um pouquinho todo dia.

Mas eu tive mãe e tive pai.
E nesse dia, tudo o que eu queria.
Era ter eles aqui, pra voltar a ser criança.
Nem que fosse só uma vez mais.

Jauch

du05


Eu tinha tanta coisa pra dizer… Mas essa dor no peito e os meus olhos marejados não deixam. Fica isso que consegui escrever por entre as gotas de chuva que cairam do meu peito. Que eu queria contar-te do meu querer. E agora só me resta adormecer, e sonhar com quando eu tinha pai e tinha mãe, e voltar a ser criança…

Portugal – Eurovisão 2018

Este ano o festival da Eurovisão está a ser realizado, pela primeira vez na história, em Portugal, uma vez que no ano passado, Portugal levou o título com a canção de Salvador Sobral.

Para quem tem preguiça de clicar em links, o festival da Eurovisão é um festival de música onde competem, atualmente, praticamente todos os países europeus. E mais alguns (Israel, Austrália, …).

A maioria das músicas “sucks”, no geral, mas é um festival engraçado e, claro, há sempre músicas fantásticas. Eu nunca quero ver, mas acabo sempre dando uma espiadela. É uma festa lindíssima e o público que vai ao local assistir em direto é, digamos, pouco convencional com a indumentária. Sexta, no metro, estava muito divertido. Continuar lendo “Portugal – Eurovisão 2018”

SNAZ – Cocaine

E eu me lembrei de uma música: Cocaine.

Gravada por J. J. Cale em 1976, com sua versão mais conhecida numa interpretação de Eric Clapton (que a regravou em 1977 e, mais recentemente, numa versão Unplugged).

Mas essa… Ah… Essa é a minha versão preferida de Cocaine: a dos Nazareth, uma banda Escocesa que, na minha opinião, não tem o reconhecimento que merece… De notar que o vocalista tem uma voz muito peculiar. Continuar lendo “SNAZ – Cocaine”