Feira do Livro de Lisboa 2019

Este pequeno “artigo” serve a dois propósitos:

  • Mostrar o que foi que adquirimos na 89ª Feira do Livro de Lisboa (2019).
  • Quebrar o jejum de textos aqui no blog (tenho muita coisa para publicar…).

Vamos a isso.

A feira do livro realizou-se, novamente, no Parque Eduardo VII. Um espaço muitíssimo agradável. Fomos duas vezes à feira. Da primeira vez fizemos uma compra rápida. Já era mais para o fim da tarde e a feira estava lotada. Da segunda vez fomos pela manhã, mal acordava a feira. Foi muito agradável, mas ainda assim foi uma visita rápida, que os custos dessa visita não paravam de subir…

A exemplo de anos anteriores, que nunca menionei antes, boa parte das aquisições deste ano foram de livros infantis, mas acabamos também por investir em Banda Desenhada (quadrinhos).

Fica aqui então um registro do que trouxemos da feira. Ano que vem tem mais 🙂

Livros Infantis

Nasredin
A toupeira que queria saber quem lhe fizera aquilo na cabeça
Vamos Jogar?
Eu Quero a Lua
O Homem de Água
Depois da Chuva
O Médico do Mar
O Velho a preto e branco na Aldeia das Cores
O Livor que voa
O sonho de Mateus

Banda Desenhada

Chernobyl – A Zona
Histórias do Outro Mundo
Portais
Jardim de Inverno
Saga – Volumes 3 a 8

Outros

Hugo Pratt – O desejo de ser inútil
Banda Desenhada – Ensaio sobre a incoerência estilística
Os Mil e Um Fantasmas
Palavras do Livro do Desassossego
O Guardador de Rebanhos

1Eeeeeeeeeeeee é isso. 🙂

2Claro, já comprei mais livros depois da feira (e antes dela também, se for importante…).

3E para que não reste nenhuma dúvida…

Eu & 5 de Portugal #7

O Passado…

O passado é um sonho que precisa ser sonhado. E cada sonho que sonhamos é diferente, porque o passado é um sonho que não se repete.
Eu sei. Temos medo do passado. É no passado onde estão os nossos fantasmas. Temos medo que eles nos vejam e voltem… E como crianças pequenas fechamos os olhos e nos escondemos debaixo das cobertas. Mas de olhos fechados o futuro não vem.
O passado é um sonho que precisa ser sonhado, porque são nossos sonhos que moldam o futuro. E o Futuro, sem sonhos, não tem razão de ser…

A porta convida. A luz convida. A noite convida. Entra…
Did you bring the carrots, little human?
Brinca como se não houvesse amanhã. Não há…
Miau!
Portugal… Verão. Ontem? Ou teria sido há 20 anos?

Constant Craving

K.d. Lang (interpretada por John Paul White)

Even through the darkest phase
Be it thick or thin
Always someone marches brave
Here beneath my skin

And constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Maybe a great magnet pulls
All souls to what’s true
Or maybe it is life itself
That feeds wisdom to its youth

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been

Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been
Constant
(Constant)
Craving
(Craving)
Has always
(Always)
Been

Craving
Ah, constant craving
Has always been
Has always been
Has always been
(Has always)
Always been
(Has always)
Always been
Has always been
Has always been
Has always been


1Não. Não sei porque raios é que os burricos falam em Inglês…

2Não. Não sei porque raios é que os gatos falam em Miês…


Leiturtugas #1

Este ano começou de forma explêndida para mim, em relação às minhas leituras. Finalmente, depois de alguns anos em que li muito menos do que gostaria, consegui engrenar uma rotina que me permite ler, se não tanto quanto gostaria, o suficiente para me acalmar o espírito.

Também descobri um novo projeto, encabeçado pelo Jorge Candeias, que recebeu o nome Leiturtugas.

De forma muito resumida, a ideia é a de criarmos um grupo de leitores/bloggers de obras literárias (que inclui a BD/HQ), de autores Portugueses, classificadas como Fantásticas, focando principalmente na Ficção Científica, mas abraçando também outros gêneros, como Fantasia, Terror, etc. O que esse grupo se propõe a fazer é ler e comentar tais obras.

Quem sabe assim não conseguimos aumentar um pouco a exposição destas obras a um público mais alargado? Ou salvar alguém de um dissabor? 😉

As regras estão no link ali em cima. Portanto, se tens curiosidade e sentes que és capaz de gostar deste projecto, junta-te! Não é preciso ser português (eu ainda não o sou 😉 rs).

E para dar a partida, aqui no meu espaço, deste projeto, vou deixar aqui alguns comentários sobre algumas coisas que eu li, começando neste ano, bem como o que já foi publicado pelos integrantes do projeto, que ainda é pouco, porque começou faz muito pouco tempo.


Minhas Leituras

Floresta de Homens (Valter Marques)

A história, de 2012, é uma ficção científica que, curiosamente, nem é uma utopia nem é uma distopia, mas trata do dia de aniversário de uma mãe (Maria de Fátima) e da viagem que ela e os dois filhos (Carla e Paulo Pedro) fazem. Eles vão visitar O Céu. Sim, esse mesmo, com “O” e “C” maiúsculo. O Céu.

A história está bem escrita, mas a caracterização das personagens, apesar de bem conseguida (mais pelos filhos, nem tanto pela mãe), podia ser mais curta, ou melhor aproveitada dentro da história.

E por falar nisso, a história acabou ficando um pouco aquém do que poderia ser, considerando o tema que abordou, mas que acabou sendo atacado de forma muito tímida. Aqui, não sei até que ponto as próprias crenças pessoais do autor podem ter interferido.

Pesquisando sobre o autor, só consegui encontrar outra história dele, também de 2012 (que tratarei em outra altura), o que é uma pena, porque penso que existe potencial, se trabalhado, para um escritor com histórias interessantes.

Minha avaliação: 3/5 (Gostei)

Futuroscópio (Miguel Montenegro)

Futuroscópio é uma Banda Desenhada (BD ou HQ), lançada em 2018, de autoria de Miguel Montenegro (Argumentos e Ilustrações, com algumas participações especiais. Além de ter trabalhado para a Marvel (EUA), é também autor das tirinhas Psicopatos.

Este trabalho me deixa um tanto em dúvida. Os desenhos em si são de bastante qualidade, mas os temas abordados me deixaram um tanto confuso…

As histórias abordam vários futuros possíveis, e algumas parecem fazer parte de um mesmo universo, ainda que possam ser lidas de forma isolada, pois não estão conectadas. Quase todas tratam de um de dois temas: Gênero e sociedades voltadas para o Bem-estar “forçado” da população.

A confusão surge da nítida ironia e sarcasmo usados nas histórias, porque, pelo menos numa primeira leitura, me escapa o alvo… Prefiro pensar que o alvo seja o exagero em si, que é o que me parece mais provável, mas você pode ter uma opinião diferente.

Minha avaliação: 3/5 (Gostei, mas merece uma releitura mais atenta)

O Saque de Lampedusa (João Barreiros)

O Saque de Lampedusa um conto de João Barreiros que adquiri em meio digital para ler no meu e-Reader (um Kobo). Sendo um conto não muito extenso, lê-se rapidamente.

A história é basicamente a descrição das memórias de um “tanque/robô?” usado no ataque à uma ilha, ocupada por fábricas que se tornaram seres sensientes? e se multiplicam, já tendo invadido e escravizado os seres humanos no Norte de África.

Bem escrito, ainda que passe muito tempo nas divações do tanque/robô? que, na prática, foi fundido com uma parte da consciência de um voluntário (que não sabia bem no que se metia, aparentemente). Parece uma daquelas histórias feitas mais para dar contexto a um universo em particular do que pela história em si. No caso, contexto ao universo do “Deus Morto”, também mencionado de leve neste texto (que apesar de tudo, me parece ser uma ideia muito interessante).

Minha avaliação: 3/5 (Gostei).


Outras Leiturtugas

Euronovela (Miguel Vale de Almeida) – Comentário no Intergalactic Robot.

O Engenho dos Sonhos (Carina Portugal) – Comentário no Lâmpada Mágica.

Yazik (Manuel R. Marques) – Comentário no Lâmpada Mágica.

Antologia de Ficção Científica Fantasporto (Vários) – Comentário no Intergalátic Robot.

P.S. Tenho o Antologia de Ficção Científica Fantasporto, que já li faz alguns anos, e eventualmente faça uma releitura para comentar aqui também.

Eu & Cinco de Portugal #6

Passei Outubro de 2018 em Bragança, no norte de Portugal. Fui a trabalho, mas ao fim do dia e aos fins de semana, sem muito o que fazer, eu acabava saindo bastante para passear e tirar fotografias. E foram mais de 1000 fotografias… hahahahaha

Um dia eu tenho de processar tudo isso. Se eu conseguir me aposentar, e não morrer logo a seguir, quem sabe?

Continuar lendo “Eu & Cinco de Portugal #6”

Portugal – Eurovisão 2018

Este ano o festival da Eurovisão está a ser realizado, pela primeira vez na história, em Portugal, uma vez que no ano passado, Portugal levou o título com a canção de Salvador Sobral.

Para quem tem preguiça de clicar em links, o festival da Eurovisão é um festival de música onde competem, atualmente, praticamente todos os países europeus. E mais alguns (Israel, Austrália, …).

A maioria das músicas “sucks”, no geral, mas é um festival engraçado e, claro, há sempre músicas fantásticas. Eu nunca quero ver, mas acabo sempre dando uma espiadela. É uma festa lindíssima e o público que vai ao local assistir em direto é, digamos, pouco convencional com a indumentária. Sexta, no metro, estava muito divertido. Continuar lendo “Portugal – Eurovisão 2018”

Tio Rex

Há coisas que simplesmente acontecem, e temos de agradecer por isso.

A música é um elemento muito importante em minha vida. Muito. Pudesse eu, tudo que eu faço teria uma trilha sonora. Bom, boa parte já tem… Por essa razão estou sempre à procura de músicas que toquem minh’alma.

Calhou de hoje, enquanto deambulava entre as estantes de livros da FNAC em Oeiras, ouvir uns acordes no palco que ali há. Várias vezes por mês essa loja é palco de algum espetáculo, em sua maioria de músicos Portugueses. Continuar lendo “Tio Rex”

Eu & 5 de Portugal #5

Pois é… Pela primeira vez na vida, o Eu & 5 de Portugal vai ser feito logo depois de um outro Eu & 5 de Portugal…

Dizem que a vida é feita de primeiras vezes, não é? Não dizem que há sempre uma primeira vez para tudo? Pois que seja. Continuar lendo “Eu & 5 de Portugal #5”

Eu & 5 de Portugal #4

ouves? é a chuva
com seu pranto insistente
mas não me comove
tenho os olhos fechados
e em meu rosto 
meu melhor sorriso
gosto de vê-la sofrer
justo eu, tão justo
debaixo das mantas
calado e quentinho
fico a ouvi-la chorar
com suas lágrimas
batendo em minha janela
pedindo pra entrar

A chuva veio. E ficou. Que bom. Continuar lendo “Eu & 5 de Portugal #4”

Eu & 5 de Portugal #3

Já fazia algum tempo que eu não colocava nada “visual”, aqui no blog, sobre o meu Portugal. Meu, porque já é meu. Agora é tarde. Adotei e fui adotado. Não há volta a dar.

Mas pronto, quando chega a hora, chega a hora, e hoje esse post impunha-se.

O pequenucho viu o belíssimo dia que fazia lá fora e quis ir ao “Parque dos Vermelhos”, que é o nome que ele deu ao Parque Urbano do Jamor, que está integrado no Complexo Desportivo do Jamor, em Cruz Quebrada (Oeiras). Quando ele pediu, a primeira vez, para ir ao “Parque dos Vermelhos”, tinha ele não sei, talvez uns 3 anos, foi um parto pra descobrir qual era o parque. Tivemos que pegar o carro e dar umas voltas por alguns parques que ele já tinha visitado até ele apontar o correto… Continuar lendo “Eu & 5 de Portugal #3”

A Abelhuda…

Eduardo abriu a porta mas parou o movimento repentinamente, fazendo a porta vibrar como se tivesse ido de encontro a uma parede. O pequeno estava no sofá da sala, inundada por uma luz matinal que prenunciava o calor que a qualquer momento deveria chegar.

— Filho, vou comprar pão. Quer alguma coisa especial?
— Não. Hoje eu quero papa.
— Ok.

O corredor ainda estava fresco. Bocejou. Olhou para a escada, apenas um andar, mas o joelho andava a incomodar e ele já sabia que a descida não seria agradável. Dito e feito, suas capacidades premonitórias não falharam e antes mesmo de chegar à porta do edifício já tinha amaldiçoado gerações inteiras de engenheiros que não gostam de elevadores. Continuar lendo “A Abelhuda…”