A Abelhuda…

Eduardo abriu a porta mas parou o movimento repentinamente, fazendo a porta vibrar como se tivesse ido de encontro a uma parede. O pequeno estava no sofá da sala, inundada por uma luz matinal que prenunciava o calor que a qualquer momento deveria chegar.

— Filho, vou comprar pão. Quer alguma coisa especial?
— Não. Hoje eu quero papa.
— Ok.

O corredor ainda estava fresco. Bocejou. Olhou para a escada, apenas um andar, mas o joelho andava a incomodar e ele já sabia que a descida não seria agradável. Dito e feito, suas capacidades premonitórias não falharam e antes mesmo de chegar à porta do edifício já tinha amaldiçoado gerações inteiras de engenheiros que não gostam de elevadores.

Do lado de fora do edifício parou por uns minutos, como fazia sempre que ia à padaria, aos fins de semana. Fechou os olhos e respirou o ar da manhã, com seus cheiros a pinheiros e cedros e orvalho, ainda não tocados pelo homem e duas máquinas de fazer fumaça.

Enquanto cumpria seu ritual matinal, foi assaltado por um zumbido. Sentiu a pele arrepiar. Nunca o tinha ouvido antes, mas tinha certeza que era ela. A infame. A maldita. A desconhecida. Ali. Ela estava ali, a menos de um metro, alternando movimentos repentinos com uma imobilidade de causar inveja a quem gosta de ficar imóvel.

Não deveria estar surpreso. Já se encontraram antes. Sempre ali, sempre àquelas horas. Deveria ter imaginado que acabaria por cruzar com ela.

Tinha certeza que sabia o que ela era, mas sem nunca conseguir provas, não conseguia convencer a esposa.

Eduardo abriu a porta do edifício com cuidado para não afugentar o pequeno ser e subiu correndo as escadas, saltando os degraus de três em três, como se tivesse 5 anos e quisesse provar à vida que sim, ele era capaz. Nesse momento, seu joelho nem sequer existia.

Entrou de rompante em casa e foi direto ao quarto buscar a máquina fotográfica.

— Já trouxeste o pão?

O olhar espantado do filho era compreensível. Eduardo passou correndo e mal teve tempo de dizer “ainda não” enquanto fechava a porta com um baque, tal era a pressa em conseguir chegar lá embaixo antes da criatura ir embora.

Já do lado de fora, ela tinha desaparecido. Não podia ser. Ele precisava de uma prova. Andou à procura até que finalmente a encontrou. Ela estava de costas. Ele aproximou-se devagar e zás! Tirou-lhe uma fotografia. Ao observar o ecrã da máquina sentiu o sangue gelar: “No card”.

Não, não, não, não. Raios! Com mil trovões! Isso só pode ser piada…

Desatou a correr escadas acima e foi direto ao computador onde, afinal, tinha deixado o cartão para descarregar umas fotos que tinha feito noutro dia.

— Já trouxeste…
— Não!

E desapareceu porta afora.

Desapareceu. Ela tinha desaparecido… Não… Não… Ele procurou por perto. Será que ela ainda estava por ali? Quando estava quase a desistir, ouviu novamente o zumbido. Ali, ali está ela. Ele prepara-se e zás!

A fotografia ficou uma porcaria. Ele tentou de novo, e de novo e de novo. Mas ela não lhe facilitou a vida. Por fim, acabou desistindo. Uma das fotografias teria que servir.

Voltou para cima, com um sorriso nos lábios e seu olhar de “agora é que vais ver!”. Entrou em casa e já foi logo dizendo para a esposa:

— Não. Ainda não comprei o pão, mas vem ver uma coisa aqui.
— Atão?

Ele mostra a melhor fotografia que conseguira tirar para a esposa, ainda no visor da máquina.

— Estás a ver? Eu disse-te. É uma moooooosca!
— É linda… Mas ainda parece uma abelha…

amosca
A Abelhuda – Eristalinus taeniops (by Jauch)

1Pois é, afinal, a “maldita”, causadora de tanta discórdia conjugal, é mesmo uma mosca! Faz parte do gênero Eristalinus e é conhecida como mosca das flores. É comum em Portugal e Espanha, na zona mediterrânica (ver na wiki). Elas são curiosas, porque realmente ficam “paradas” em pleno vôo, por vezes por longos períodos de tempo (do ponto de vista de uma mosca, pelo menos).

2O comentário final, levemente alterado para efeito estilístico (bem como o resto do texto, obviamente), foi a minha esposa a me provocar… Ela é bióloga e ainda consegue reconhecer uma mosca quando vê uma de perto. Mesmo uma disfarçada de abelha…

Eu & 5 de Portugal #2

Andava eu à procura de umas fotografias de Portugal para vos mostrar e encontrei algumas que, espero eu, possam mostrar um pouquinho mais sobre como enxergo este lugar. Só um tiquinho. Sem exageros. Meu Portugal, por assim dizer.

Dizem que a realidade somos nós que criamos. As vezes eu acredito nisso.

Fica aqui então este pequeno registro fotográfico. Diferentes lugares. Diferentes momentos. Diferentes olhos. Todas com algo em comum, mais do que simplesmente eu e Portugal.

(E por tradição, 5 serão 6)

IMG_2222_small
Pelos ao vento, teje atento! (Guincho)
IMG_4140_small
Aquele fim de tarde, eu e você. Todos esperando o vento. (Marina de Oeiras)
IMG_4169_small
Aquela da pintura à óleo que ninguém pintou (Parque das Nações)
IMG_3648_small
Eita que carranca?! (Cascais)
p1010195_small
Tudo é teu até onde a vista alcança (São Jorge, Açores)

E claro, a derradeira…

p1000543_small
Os pescadores e o mar de diamantes (Paço de Arcos)

Abraços!

Eu & 5 de Portugal #1

A Mãe do Vico e do Ludo perguntou:

Depois de ter aberto meu coração, gostaria de saber quais são as motivações de vocês, que também escrevem regularmente, muitos blogueiros e blogueiras até mais de duas vezes por semana aqui no WordPress, que é a meta que eu tento manter para o LudoeVico, ou em outros meios, como o bom e velho caderninho de anotações.

As vezes penso que é por pura falta do que fazer. As vezes, porque a vida de quem escreve, aquela que invento, obnubila-me, diria o Alan. As vezes parece-me que é por aquilo que me dão em troca. Os elogios, claro, que de críticas já chegam as minhas próprias. E por vezes é sempre pelo dinheiro, que um dia, tenho certeza, hei de receber. Tal e qual o senhor de “O Segredo” que pensava positivo e recebia cheques pelo correio. Há dias em que penso que afinal é pela fama. Ou pelo sucesso. Ou por tudo aquilo que nem sei que existe, mas que conseguirei, tenho certeza.

Mas a verdade é que não sei.

Não sei porque escrevo. Qual a razão? O motivo? O sentido? Não sei, porque quando escrevo nada importa a não ser o ato. Nada existe para além desse momento, em que mãos e olhos tentam traduzir o que vai na minha cabeça e no meu coração. Não sei porque escrevo. Sei que escrevo só quando tenho vontade. Quando há algo que quer sair. Quando preciso expulsar o que se agarra nas minhas entranhas e me mói o juízo. Escrevo quando está frio. Escrevo quando a solidão me chama e me basta. Sei tudo isso, mas não sei porque escrevo.

Quando escrevo, nada existe, tudo é fantasia. Tudo está dentro desta cabeça oca, ou se preferir, vazia.

Sendo assim, não tenho resposta para dar. E se isso por si só deveria bastar, mas tal não se verifica, fica, que tenho ainda algo pra te mostrar.

Como prenda e pedido de desculpas, deixo-te aqui 5 momentos de mim e de Portugal.
Aceitas?

7
A Gaivota (ou aquela que tem 100 anos de perdão…)
17
O Mar de Algodão
21
Pra cima
23
H      2      O
p1000613
O dia em que São Pedro trocou a água por gasolina

E apesar de eu ter dito que eram 5, queria muito por esta a seguir, então vou começar já rebelando-me contra mim mesmo…

IMG_3760
O Ocaso que queria ser Aurora

 


1Esta será uma série periódica: Eu & 5 de Portugal

2Obnubilar. Ofuscar.

3A imagem que será sempre usada com esta série é da minha primeira visita a Portugal, em 2005. Nela estou às portas do Mosteiro dos Gerónimos, em Belém.

Fiiish… Fiiish… FishFishFishFiiiish…

Domingo. Sol. Calor. Nenhuma vontade de sair de casa. E lá fomos nós para o outro lado da cidade, atrás do que? Peixes, claro! E não só! Mas sim. Sobretudo, peixes.

E pela primeira vez, nosso pequenucho efectivamente admirou os peixes! Da última vez ele só se tinha interessado pelas luzes… 😛

Deixo aqui um pequeno registo fotográfico e desde já peço desculpas. A pouca iluminação não facilita o trabalho. Tão pouco ficam os bichos quietos… Arre! Ainda assim, gosto do resultado. Alta definição? Isso é para os fracos. (hunf!) Portanto, permito-me uma certa liberdade poética aqui… Que a textura do registo saiba a macio… Mas se for preciso, mintam! 😉 hehe

E se por acaso se perderem, não vos preocupeis! A barracuda sabe o caminho. Pelo menos para o elevador. Siga aquele peixe!

Continuar lendo “Fiiish… Fiiish… FishFishFishFiiiish…”

Filho de peixe, peixinho é

Em 2014 (outra vez), visitamos o Fluviário de Mora. O aquario fica na freguesia de Cabeção, concelho de Mora (Alentejo), a 120 km de Lisboa.

Um Fluviário é um aquário, mas de água doce. Diferente, por exemplo, do Aquário Vasco da Gama, que é um Oceanário (mantém espécies de água salgada). Além do conjuto de aquários, ainda tem espaços envolventes, inclusive para realização de atividades com crianças. De uma a três horas é o tempo necessário para visitar o fluviário, de forma calma e aproveitando bem o espaço.

Para quem quiser visitar, vale a pena planejar visitas a outros pontos da região, para aproveitar bem o dia. A página do concelho de Mora tem uma secção destinada aos pontos turísticos do concelho, entre os quais vou destacar o Museu Interativo do Megalistismo, inaugurado em Setembro de 2016. Quando visitei a região, ele ainda não existia, pelo que numa próxima visita, pretendo lá ir.

Fica aqui, então, para aqueles que gostam de fotografia, um pequeno registro feito naquele ano, por este que as vezes pensa que fotografia é só apontar e disparar… 😉

Continuar lendo “Filho de peixe, peixinho é”

Ser ou Não Ser…

O texto que se segue é uma revisão de um texto que publiquei no meu antigo blog (o Lápis 2B), que já era uma revisão de um outro texto feito numa noite de maio de 2014 para um concurso em que cada semana deveríamos escrever um texto, com até 400 palavras. Esta foi a história que enviei para a primeira rodada.

Outros textos que foram feitos para o tal concurso e que já publiquei aqui são Manuela Não Acreditava no Amor e Ah… A Vida…

Este texto, penso eu, pode ser enquadrado dentro da categoria de “realismo fantástico”. Não se engane, entretanto. Há muito mais nele do que pode parecer à primeira vista. Ao menos foi o que eu tentei criar.

Considero esta revisão um dos meus melhores textos curtos, sendo muito melhor do que o original, confesso, que foi feito em um par de horas, com a deadline sobre o pescoço…

Espero que gostem tanto quanto eu 🙂

Continuar lendo “Ser ou Não Ser…”

Os Cravos aos Olhos de um Tupiniquim

25 de Abril
Esta é a madrugada que eu esperava

O dia inicial inteiro e limpo
Onde emergimos da noite e do silêncio
E livres habitamos a substância do tempo

Sophia de Mello Breyner Andresen, em ‘O Nome das Coisas’

Hoje comemora-se o dia da Revolução dos Cravos1, como ficou conhecida a revolução do 25 de Abril de 1974. Ela derrubou o “Estado Novo” português, que ocupava o poder de forma ditatorial desde 1933.

Continuar lendo “Os Cravos aos Olhos de um Tupiniquim”

Noite Dentro, MOÇAMBIQUE…

Noite-Dentro-Mocambique-e-Outras-Narrativas

Observam-me. Assusto-vos. Há na minha tez algo de febril que vos inquieta. Sorrio. Estremeço. Um homem queimado, pensam.Não levanto os olhos. Sobressalto-me muitas vezes, ao mínimo ruído, ao mínimo gesto. Estou ocupado a lutar contra coisas que não vêem, nem sequer seriam capazes de imaginar. Lamentam-me, e têm razão. Mas nem sempre fui assim. Era um homem, dantes.

Assim começa a primeira de quatro narrativas de Noite Dentro, MOÇAMBIQUE, do francês Laurent Gaudé.

Continuar lendo “Noite Dentro, MOÇAMBIQUE…”

Manuela Não Acreditava no Amor

Manuela não acreditava no amor. Também não acreditava em gnomos, carros ou dentistas. A verdade é que simplesmente não acreditava. Fosse no que fosse. Aliás, Manuela não tinha nome. Não de nascença, pelo menos. O “Manuela” surgiu já muito tarde em sua curta vida. Somando-se o facto de não acreditar no amor, pode muito bem ter sido culpa do nome que lhe fora impingido, à revelia, a verdadeira causa do seu trágico fim. Quem poderá afirmar com toda a certeza?

Continuar lendo “Manuela Não Acreditava no Amor”