Eu & 5 de Portugal #8

A Vida Imita a Arte?

Deveria…

Numa das minhas caminhadas de fim de semana decidi seguir um caminho diferente. A mudança foi bem vinda, pois foi a mudança me presenteou com Arte. Porque a Arte pode ser encontrada em qualquer lado, afinal.

Mas afinal, o que é a Arte?

No meu pequeno mundo pessoal, arte é o que eu quiser que seja arte. E quase tudo é arte, se transgride de alguma maneira as limitações auto-impostas de uma sociedade dormente, se me deleita os sentidos, se me aguça o intelecto.

Que não fique restrita apenas ao meu olhar, ou aos dos poucos que ousam por lá passar.

Muita Gente Faz Sexo, Mas é Virgem de Amor
Em Tempos de Ódio, é Bom Andar Amado
A Medida do Amor é Amar sem Medidas
Nunca Pare de Sonhar
Amor Só com Fusão (entendedores entenderão…)
Vandalismo é Não Falar de Amor! Mude P/ Mudar o Mundo!
Contando os Dias Para te Ver
Loucure-se
Seja Luz

1Se há algo que eu gosto imenso de fazer é andar.

2Se há outra coisa que eu gosto imenso de fazer, é andar sozinho.

3Precisamos uns dos outros, mas as vezes precisamos de nós mesmos…

Portugal – Eurovisão 2018

Este ano o festival da Eurovisão está a ser realizado, pela primeira vez na história, em Portugal, uma vez que no ano passado, Portugal levou o título com a canção de Salvador Sobral.

Para quem tem preguiça de clicar em links, o festival da Eurovisão é um festival de música onde competem, atualmente, praticamente todos os países europeus. E mais alguns (Israel, Austrália, …).

A maioria das músicas “sucks”, no geral, mas é um festival engraçado e, claro, há sempre músicas fantásticas. Eu nunca quero ver, mas acabo sempre dando uma espiadela. É uma festa lindíssima e o público que vai ao local assistir em direto é, digamos, pouco convencional com a indumentária. Sexta, no metro, estava muito divertido. Continuar lendo “Portugal – Eurovisão 2018”

A Vida, o Universo e Tudo o Mais #1

Pensei em começar a compartilhar, com vocês, um pouco sobre o que eu penso de tudo. Aos poucos, que é para não chatear ninguém. Como gosto de séries (já viu a minha série Eu & 5 de Portugal?), resolvi criar esta. De vez em quando venho cá dar uns bitaites sobre a vida, o universo e tudo o mais. Portanto, sem mais delongas, vamos a isso. Continuar lendo “A Vida, o Universo e Tudo o Mais #1”

O Palhaço (em cinco atos)

Primeiro Ato
Cheiro de casa

O chevete deslizou lentamente sobre a gravilha, passando ao lado da tenda colorida e parando a poucos metros da caravana. Apenas os faróis do carro deitavam alguma luz em frente. João desligou o motor e a noite sem lua cobrou seu preço. A escuridão apoderou-se de tudo. Sentiu o calor de uma noite de Janeiro em pleno Julho, aquecendo a face e tornando a respiração um exercício de futilidade. Abriu a janela para deixar o ar da noite esfriar um calor que não era real e acalmar uma emoção que não reconhecia. Deixou-se ficar ali algum tempo, a ouvir o próprio coração, até deixar de ouvi-lo. Lá fora,  o nada. Nenhum som vinha da tenda ou da caravana. Nem da mata que circundava o lugar. Nem uma folha a farfalhar ao sabor do vento. Nem um grilo a gritar sua paixão. Estava só. A única indicação de que não havia sido engolido para um limbo sem traço de vida era o cheiro à eucalipto da árvore que vira crescer, ao lado da “casa”. Quarenta anos tinha a árvore. Trinta tinha João. Ficou ali perdido em um sonho morto que rondava seus olhos sem mostrar nada. Sem saber o porquê, abriu a porta do carro e caminhou pela gravilha quebrando o silêncio, em direção à porta branca com grandes bocados sem tinta que foi a sua porta branca com grandes bocados sem tinta desde sempre. Pousou a mão na maçaneta sem se dar conta que o fizera. Abriu a sua porta branca com grandes bocados sem tinta e mergulhou no passado. Continuar lendo “O Palhaço (em cinco atos)”

Tolos, tolos e tolos…

por tolos anos servi
sem saber quem servia
sem pouso ou acolhida
sem estrelas ou mar

por tolos anos vaguei
sem ouvir quem devia
sem pesar minha vida
sem ombro para chorar

por tolos anos morri
sem saber que sorria
sem sentir a partida
sem tempo de amar

Jauch


1As vezes nos cruzamos com os tolos que fomos, mas não queremos ouvi-los, pois tudo que fazem é nos mostrar os tolos que somos e os tolos que seremos…

O Que Você Faria?

Crise. Já ouviu essa palavra? Provavelmente é das palavras mais faladas (e ouvidas, por conseguinte), desde há muitos anos. Estamos permanentemente em crise. Econômica, política, social, ambiental, humanitária… Mas mais do que todas essas, estamos permanentemente em crise pessoal.

Se te disserem que está tudo bem, desconfie. Há quem se defenda da sua crise fingindo que ela não existe. Sim, porque estamos em crise desde que nascemos. Pra começar, mal saímos da mãe, já nos dão uma bolachada. E pra quê? Só pra ver a gente chorar? Tem coisa mais sádica do que essa? Bater num pobre e indefeso bebê? Mas adiante, que a vida é curta, mas só quando a gente olha pra frente. Pra trás até parece que eu nasci no século passado. Continuar lendo “O Que Você Faria?”

Severino Lavrador, mas já não lavra…

Em meio ao pó e vento quente cresceu
Plantou e colheu, até não poder mais
No silêncio e na secura definhou 
Pois que esse é sempre o destino
De todo o sertanejo Severino
Sem nunca ter visto e vivido
Nascer, Crescer
Curvar e Morrer

Jauch

Uma pequena homenagem à esta magnífica obra: Morte e Vida Severina do escritor João Cabral de Melo Neto. O texto é um poema drámatico que conta o sofrimento da personagem Severino. Lembro-me de estudar o texto quando ia na escola. Lembro-me do sentimento de infantil deslumbramento diante da realidade que ele evocava. Lembro-me de ficar acordado até mais tarde, certa noite, para assistir com meus pais e minha avó ao especial produzido para a Rede Globo (quando essa ainda apresentava alguma coisa de jeito). Lembro-me ainda da angústia que senti, diante de todo sofrimento que eu via.

Continuar lendo “Severino Lavrador, mas já não lavra…”

a cara de quem levou tanta porrada

Eu raramente “reblogo” o que quer que seja.
Mas este texto, esta poesia, esta dor em linha…
Isso é “do caraças”.

E todo mundo tem de ter o direito de o ler…
E pensar.
E olhar para si mesmo.
E talvez até chorar.
E no fim, erguer a cabeça, bendizer a própria sorte.
E com menos ou mais porradas, continar.


 

lux et voluptas

queria ter menos cara de quem levou tanta porrada

queria ter a carcaça mais fina

um olhar menos esperando o próximo soco

queria esperar menos o pior de tudo e de todos

queria a dissimulação de quem diz “não, obrigado”

a irrelevância de um estúpido “de nada”

 

eu aguento, mas eu queria mesmo era ter

menos cara de quem levou tanta porrada

 

queria ter a sofisticação de uma infância tranquila

a classe da despreocupação

de um fino vestido longo estampado

ajustado a uma pele branquinha e sem eczemas

a esguiez aristocrática de quem não conhece

o gosto do próprio sangue escorrendo nos lábios

nem do sufoco da espera lastimada

 

eu aguento, mas eu queria mesmo era ter

menos cara de quem levou tanta porrada

 

eu revido sempre

deixo cicatrizes nos outros

aguento bem o tranco

mas eu queria mesmo era

o silêncio de quem esvazia a…

Ver o post original 182 mais palavras

João, o Perdido

O João?

“Um perdido”, diria “seu” José, pai de João, sem nem mesmo tirar os olhos do seu jornal. Não que fosse fácil. Tirar os olhos do jornal, digo eu, porque essa era mesmo a fama de João.

Acontece que João ganhou fama muito cedo. Logo aos 7 anos, seus pais perderam o filho no supermercado. Encontraram-no no lugar mais óbvio, o corredor dos brinquedos.

Lá estava ele, olhando para as caixas de brinquedos perdido num mundo de faz de conta, sonhando acordado. Seu sonho tinha algo a ver com uma cidade em miniatura, um navio pirata, água pela cintura e um monstro marinho gigante, que por um destes motivos inexplicáveis da vida, era a cara do irmão mais novo do seu vizinho. E berrava como ele.

João tinha muito potencial e sua fama não parou de crescer.

Continuar lendo “João, o Perdido”