Onde Tudo Existe…

um céu estrelado
espelha minh’alma
escura e fria
velha e cansada
pontilhada de cicatrizes
pequenas e apagadas
e olho para elas

com um olhar que não se cala
diz-me! qual a razão?

o passado é um sonho
o futuro é ilusão
tu segues o caminho
que o destino traçou
por isso, aceita
aceita o teu presente
pois que nele
belo e decadente
é onde tudo existe

por Jauch

Devil’s Backbone

The Civil Wars

Oh Lord, Oh Lord, what have I done?
I’ve fallen in love with a man on the run
Oh Lord, Oh Lord, I’m begging you please
Don’t take that sinner from me
Oh don’t take that sinner from me

Oh Lord, Oh Lord, what do I do?
I’ve fallen for someone who’s nothing like you
He’s raised on the edge of the devil’s backbone
Oh I just wanna take him home
Oh I just wanna take him home

Ooooooooooo
Ooooooooooo

Oh Lord, Oh Lord, he’s somewhere between
A hangman’s knot, and three mouths to feed
There wasn’t a wrong or a right he could choose
He did what he had to do
Oh he did what he had to do

Ooooooooooo
Ooooooooooo

Give me the burden, give me the blame
I’ll shoulder the load, and I’ll swallow the shame
Give me the burden, give me the blame
How many, how many Hail Marys is it gonna take?

Don’t care if he’s guilty, don’t care if he’s not
He’s good and he’s bad and he’s all that I’ve got
Oh Lord, Oh Lord, I’m begging you please
Don’t take that sinner from me
Oh don’t take that sinner from me

Lá em cima o ar sabe melhor…

acordei de um sonho esquisito
não me julgues pois vai parecer desatino
mas no meu sonho eu sabia voar
e pra isso bastava eu querer e acreditar

foi no meio de um jantar que desatei a voar
flutuei sem rumo, sem ter onde me agarrar
os outros comiam, sorriam e falavam
ninguém ali pareceu se importar Continuar lendo “Lá em cima o ar sabe melhor…”

Estrada Para o Fim do Mundo

Com as mãos apoiadas sobre o cabo da pá, olhava para o resultado da última meia hora de esforço: uma cova pequena, profunda o suficiente apenas para evitar que animais pudessem encontrar o que ali seria depositado. O olhar vazio refletia o que lhe ia na cabeça. E no coração. Largou a pá e desapareceu na escuridão da pequena construção em ruínas, distante cerca de 50 metros de onde estivera a cavar. Voltou de lá trazendo nos braços um pequeno volume envolto em um cobertor de criança, sujo e maltratado pelos anos a pegar poeira e humidade. Continuar lendo “Estrada Para o Fim do Mundo”

A Sabedoria do Velho Ébrio

Nunca escrevi uma carta em toda minha vida. Esta é a primeira. E será também a derradeira.

Ando acamado já faz algum tempo. Nada me dizem, mas sei que não tardará para que meus dias aqui cheguem ao fim.

Depois de muito pensar, e já não tenho muito mais que fazer, mandei chamar o advogado, a quem passei minha última vontade. Tudo que tenho ficará para a caridade.

Ainda tenho esperanças que um dia entenderão, mas desconfio que quando tal acontecer, meus ossos terão se tornado poeira há muito tempo. Continuar lendo “A Sabedoria do Velho Ébrio”