O Gigante

A noite dispara gritos
Vêm em vão de todas as direções
Atingem velhos e crianças, inocentes e culpados
Mas o alvo que buscam nunca acertam

Eu

Desejo ardente de homens e mulheres
E de tantos outros que já não são
A visão mais bela, dirão os cegos 

Todos eles, você e meus irmãos

Bates no peito com o punho cerrado
Ódio e amargura escorrendo dos olhos
Tudo que fazes é feito por mim
O mesmo dizem todos os teus inimigos

Sou tudo o que querem, pois não sou nada

Minha existência é a miragem de mil homens
Impávido colosso, meu futuro espelha a tua grandeza
Sigo adormecido em meu berço esplêndido

Eternamente

Jauch


1Um pequeno texto/poesia, sem pretenção de ser mais do que é: uma tentativa de expressar o que sinto ser o Brasil hoje.

2Vem em vão… começou sendo Vem e vão…, mas meus dedos são mais sensíveis do que meu cérebro e sabem melhor os caminho do meu coração.

3Para os que não são brasileiros ou não perceberam a referência, sugiro esta leitura.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s