Leiturtugas #2

E lá se passaram muitos meses desde que fiz o primeiro Leiturtugas. Em verdade, isto aqui anda parado. Não por falta de material, mas por falta de algo que ainda não percebi bem. Ânimo? Não dá para dizer que seja tempo… Enfim.

Faz tempo que não publico nada e já se passaram muitos meses, com várias leituras, entretanto, isso aqui pode ser mais curto do que deveria…

Mas cá estamos novamente, então vamos a isso! 😀


Minhas Leituras

Terrarium (João Barreiros & Luís Filipe Silva)

A edição que eu li é revisão feita para a comemoração dos 20 anos de lançamento da obra.

Trata-se de uma grande aventura de ficção científica, que se passa maioritariamente no planeta Terra em em sua órbita. Na realidade, pode-se pensar que são várias histórias “entrelaçadas”, sendo que a costura é feita por algumass poucas personagens.

O que pode acontecer quando uma frota de naves de muitas culturas diferentes chega à terra? Exilados e vigiados por uma outra raça, os visitantes acabam por ser forçados a conviver com os humanos. Uma convivência forçada e tensa que dá o mote para esse épico.

A narrativa é muito interessante, e a história é muito bem escrita, conseguindo manter o interesse ao longo de todo o livro, à medida em que vai descortinando os fatos aos poucos, com cada nova “história”.

Vale a pena ler? Sim. Aliás, se você não leu, não sabe nada sobre ficção científica portuguesa, na minha opinião.

Minha avaliação: 4/5 (Gostei Muito)

Na Crista da Onda (Luís Filipe Silva)

Este conto, integrante da coletânea Space Ópera, tem uma premissa muitíssimo interessante, e que eu só consegui perceber já ia adiantado na leitura. Talvez tenha sido falha minha, mas me pareceu proposital.

Uma história em que o roteiro se sobrepõe às personagens, que já ficaram esquecidos na minha memória. Tenho pena, pois acho que a história poderia ter sido melhor aproveitada. Mas isso sou eu e o autor (ou qualquer outra pessoa), não tem que concordar comigo.

Ainda assim, é um conto que acho que vale a pena ser lido.

Principalmente porque o final é pouco convencional, na minha opinião.

Minha avaliação: 3/5 (Gostei)

O Mandarim (Eça de Queirós)

Esse conto de Eça tem um aspecto “fantástico”, que parece ter sido muito criticado na época de sua publicação.

A leitura foi sugerida pelo José Geraldo Gouveia, do blog Letras Elétricas, para um grupo de discussão literária que fazemos parte, como uma leitura que viria no sentido de conversarmos principalmente sobre “super interpretações”. Foi uma discussão muito interessante.

É uma leitura difícil, no sentido em que esta edição mantém o texto muito próximo do original, ao que parece. Li uma versão digital, comprada na loja Kobo, o que me facilitou a vida, por conta do dicionário embutido. Há ali uma quantidade bastante grande de palavras que me eram desconhecidas. Foi uma leitura muito instrutiva, neste sentido.

A história, que trata, a princípio, de uma crítica à ganância, acabou por mostrar um outro lado (será que é uma super interpretação?) que seria uma verdadeira crítica ao colonialismo Português e não só.

Recomendo? Sim. Mas prepare o dicionário…

Minha avaliação: 4/5 (Gostei Muito)


Outras Leiturtugas

A Recriação do Mundo (Luís Corredoura) – Comentário no Intergalactic Robot

Somos Felizes (Sara Farinha) – Comentário no Mais que um blog de literatura

Arrábida 8 (Pedro G. P. Martins) – Comentário no Mais que um blog de literatura


Tenho outras leituras Portuguesas para o Leiturtugas. Ficam para a semana.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s